quinta-feira, 6 de junho de 2013

UM ALGUÉM APAIXONADO - 2012

Like Someone in Love, 2012
Legendado, Abbas Kiarostami

Formato: AVI 
Áudio: japonês
Legendas: Pt-Br
Duração: 109 min.
Tamanho: 730 MB
Servidor: Hulkfile (Parte única)

LINK

SINOPSE
Akiko (Rin Takanashi) é uma jovem universitária que vive em uma grande cidade no Japão. Um dia ela está ao lado de uma amiga em uma boate, quando um homem (Denden) se aproxima dela e lhe pede que vá visitar um colega. Ela reluta a princípio, dizendo que precisa encontrar sua avó que veio do interior, mas acaba aceitando. Colocada em um táxi, ela segue em viagem tendo apenas um endereço e um telefone, sem saber quem irá encontrar.

Fonte: Adorocinema
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 6.9


ANÁLISE

O cinema só tem a ganhar se Abbas Kiarostami, comoWoody Allen, decidir transformar num hábito a ideia de rodar filmes em lugares distintos. O mais importante cineasta do Irã saiu do seu país e foi ao Velho Mundo fazer Cópia Fiel, e agora roda Um Alguém Apaixonado (Like Someone in Love) em Tóquio. Os dois filmes formam um díptico interessante porque representam opostos: o peso histórico da Europa contra o motor da modernidade efêmera na capital japonesa.
Se Cópia Fiel, com suas referências ao passado, era um filme de muitos tempos em um, Um Alguém Apaixonado é um filme de muitos espaços em um. Sai a carga da história, representada no flanar, no pedestrianismo, e entra o imediatismo de viver tudo agora, acelerado pelos muitos deslocamentos de carros ao longo do filme. Kiarostami não chega ao ponto de filmar Um Alguém Apaixonado inteiro dentro de um carro, como já fez no Irã em Dez, mas foi quase.
Os dois cenários que servem de começo e fim para essa história de deslocamentos são um bar e um apartamento. No bar, a acompanhante de luxo Akiko (Rin Takanashi) aceita contrariada quando seu cafetão manda ela pegar um táxi até um endereço a uma hora de Tóquio, o apartamento de um velho professor e tradutor, Takashi (Tadashi Okuno). Presume-se que Takashi é o tal personagem que age "como alguém apaixonado" do título, porque inicialmente ele só quer aproveitar a companhia de Akiko com um tranquilo jantar romântico em seu apê, e rapidamente sua vida está tão desarranjada quanto os corações dos amantes.
A comparação com Woody Allen vem ao caso porque Um Alguém Apaixonado começa dramático mas se desenrola como uma comédia de erros romântica. E nunca uma personagem foi tão portadora de malentendidos quanto Akiko. Kiarostami faz um filme em que os espaços se confundem porque a cacofonia do bar no início - em que pessoas trocam de lugares para manter conversas paralelas - depois se transfere para o apartamento do velho, desde o momento em que o telefone toca quanto Akiko chega. Logo Takashi estará lidando com o barulho das aulas de inglês e com a vizinha curiosa (cujo mundo restrito não poderia ser melhor representado do que com a janelinha por onde ela espia a vida dos outros).
É como se Akiko, a garota de programa, que pela própria definição da sua profissão é uma pessoa eternamente em trânsito existencial, carregasse consigo as atribulações do mundo - e os reflexos da janela do carro no rosto da simpática Rin Takanashi, durante o passeio à noite na cidade, dão plenamente conta disso. E é com esse descompromisso panorâmico, por vezes hilariante e outras bastante triste, que Abbas Kiarostami encontra uma forma no Japão para falar sobre a sufocante onipresença da modernidade.
Análise retirada do site Omelete
Screenshots






























































3 comentários:

  1. Gente, a segunda parte parece estar corrompida, ou com algum outro problema.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João, acabo de baixar a segunda parte. Não tive problema nem no download nem na extração do arquivo. Assim, peço que verifique se o arquivo foi baixado corretamente, ou seja, foi baixado em sua totalidade.

      Att.,

      Hilarius

      Excluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila