quinta-feira, 27 de março de 2014

O VALE DAS ABELHAS - 1968

Údolí Včel, 1968
Legendado, Frantisek Vlácil
Classificação: Excelente


Formato: AVI
Áudio: tcheco
Legendas: Pt-Br
Duração: 97 min.
Tamanho: 1,27 GB
Servidor: Mega (Parte única) 

LINK

SINOPSE
Depois de seu pai se casar com uma esposa adolescente, Ondroej é enviado para um internato religioso. Após alguns anos lá, ele começa a refletir sobre questões existenciais e suas crenças, resolve então fugir e voltar para casa. Explorando a natureza da fé e da dúvida o diretor tcheco Frantisek Vlacil constrói uma obra poética ambientada na Idade Média.

Fonte: Interfilmes
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 7.9


O cinema essencial de Frantisek Vlácil


Uma montanha destaca-se imaculada no horizonte: como pombas com seu voo leve e sincronizado, movem-se graciosas figuras femininas vestidas de branco. Sobem em direção ao templo no topo da colina, guiadas pelo som dos sinos. Seus passos são imperceptíveis, seus seus véus levantam-se vagarosamente, aumentando o movimento do enquadramento fixo em sua perfeita composição formal. Bastariam essas imagens para nos convencer a afrontar uma sessão de Marketa Lazarová de Frantisek Vlácil, considerado uma das grandes obras primas do cinema tchecoslovaco, e nos aprofundar ainda mais na obra de um cineasta complexo, pai e precursor da Nová Vlna, a Nouvelle Vague tchecoslovaca. A carreira de Vlácil foi longa mas irregular, devido às duras dificuldades históricas (como a invasão soviética na Tchecoslováquia) que bloquearam seu fluxo criativo, fazendo com que trabalhasse com muitos diretores que, mais tarde, tornariam-se autores proeminentes das gerações sucessivas, como Jan Nemec, ao qual o cineasta confiou um papel de ator em The Chase: média metragem que prenunciaria a base de seu célebre Diamantes da Noite (Démanty Noci).

Frantisek Vlácil

Contudo, a filiação entre Frantisek Vlácil e os autores da Nová Vlna tchecoslovaca não se reduz apenas a uma série de trocas didáticas e culturais. O diretor impõe-se como um novo modelo, rompendo radicalmente com a linguagem cinematográfica e buscando deliberadamente a arte absoluta, capaz de fundir a cultura de uma sociedade (como faz a arquitetura) com a intimidade de um único indivíduo (como faz a música). É sob esta ótica que podemos analisar sua lendária trilogia, componente de um cinema novo e aberto à contínua experimentação formal, sempre sintetizando a realidade em um olhar tanto político quanto existencial. Desta forma,  Vlácil também reuniu forças para lidar com a História, seguindo as eruditas palavras do escritor Vladislav Vancura e optando, assim, por voltar à Idade Média, período no qual residem elementos contraditórios: o cristianismo, os ritos pagãos, a centralização do feudo e o nascimento de um poder hegemônico. E são esses os temas que impulsionaram o diretor para a realização de Marketa Lazarová, seu segundo filme histórico, depois do mais convencional Armadilha do Diabo (Dáblova Past).

O conflito entre duas famílias rivais torna-se o contexto ideal para colocar em cena duas visões opostas do poder: Kozlíc, pagão, e Lazar, cristão; não se distinguindo apenas pelo próprio credo, mas também por um diferente jogo de estratégias, com os quais tentam manter longe de si a própria morte. Kozlíc, com sua prolífica família, concentra o poder em em suas mãos, de tal forma a favorecer até mesmo o incesto (ainda que punido) em sua casa. Lazar, ao contrario, pensa em uma nova nação unida sob a égide de um poder mais forte, através do qual ele (graças também a sua nobre e devota filha Marketa), terá um papel vital.

Em seu curso magmático, o tempo da narrativa parece miraculosamente seguir os estados de espírito dos personagens (também devido ao uso expressionista do som, ligado aos diversos pontos de vista internos da história), compondo, pouco a pouco, os instintos humanos através de alegorias como pântanos lamacentos, lobos ansiosos por carne e mercenários prontos para a destruição. Os lobos e as freiras, nesse contexto, são elementos visuais de um poema que chega ao seu nível mais alto através da consciência da incapacidade de dissolver quaisquer contradições inerentes à realidade, ao conceder que apenas da violência nasça um amor inesperado e que o ser humano possa, desta forma, superar a ideologia (ou o ideal), através de seu esplêndido epílogo.
Neste mesmo período, Vlácil dirigiu um filme “gêmeo”, parecido na temática, mas oposto em sua forma: O Vale das Abelhas (Údolí Vcel), também ambientado na Idade Média, que conta a história da amizade entre dois cavaleiros que possuem visões opostas em relação ao voto de fidelidade à  Ordem Teutônica. Um tentará rebelar-se, o outro irá sacrificar-se para trazer o amigo de volta ao caminho correto, mas o destino tornar-se-á uma estrada inexoravelmente marcada pela impossibilidade de fuga.
Continue lendo em moonflux
Screenshots











































5 comentários:

  1. Obrigado baixando para apreciação.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, eu realmente estou impressionada! Não conhecia este filme, ainda mais sendo ambientada no espírito medieval.

    Obrigada!!

    ResponderExcluir
  3. É ótimo ter acesso a filmes não convencionais como este, o trabalho que vocês praticam é de extrema importância na formação de cinéfilos que preferem buscar filmes pouco ortodoxos a aceitar tudo o que chega até eles mais facilmente. Obrigado pela oportunidade e mantenham o grande trabalho!

    ResponderExcluir
  4. Pessoal, muito obrigado pelos elogios. São esses pequenos gestos que fazem mover o Convergência. É importante ter esse feedback de vocês para compartilharmos filmes para além de Hollywood.

    Esse filme faz parte da chamada "Nouvelle Vague" tcheca, que ainda hoje é pouco conhecida no Brasil. Esse filme tem uma pegada mais existencialista no estilo Bergman, sem a liberdade nas atuações e na direção que caracterizaram esse movimento.

    Grande abraço e muito obrigado pelo feedback.

    ResponderExcluir
  5. Exatamente isso que eu pude perceber, Hilarius.

    Além do "sétimo selo", eu fiz uma clara associação com o filme "a fonte da donzela", além de alguns filmes do Kurosawa. Fiquei muito impressionada com a fotografia deste filme theca, as atuações dos personagens principalmente em relação as suas expressões faciais. Filme poético, revelador, vale a pena conferir.

    Abraço

    ResponderExcluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila