segunda-feira, 14 de julho de 2014

NASCIDO PARA MATAR - 1987

Full metal jacket, 1987
Legendado, Stanley Kubrick
Classificação: Excelente

Formato: AVI 
Áudio: inglês/francês
Legendas: Pt-Br
Duração: 152 minutos
Tamanho: 700 MB
Servidor: Firedrive (Parte única) 

LINK
Parte única

SINOPSE
Nascido para Matar é um dos mais interessantes filmes sobre a Guerra do Vietnã já lançados. Dividido em dois segmentos distintos - o treinamento dos soldados e a guerra em si - este penúltimo trabalho de Kubrick como diretor explora as loucuras da guerra (principalmente através da figura do Sargento Hartman) e o que ela provoca na mente das pessoas. Um relato frio e quase desumano.

Fonte: Cineplayers
The internet movie database: IMDB - NOTA IMDB: 8.4


ANÁLISE

Gênio Excêntrico

Em 1987, Stanley Kubrick lançou Nascido para Matar, penúltimo longa-metragem de sua carreira. Avesso a entrevistas, ele debateu sobre o papel da crítica e a arte de realizar filmes – além de incrementar as inúmeras lendas bizarras a seu respeito

Ele não irrompeu na sala nem vagou. A verdade é multifacetada, e seria justo dizer que Stanley Kubrick entrou naquela suíte executiva de forma multifacetada. Simultaneamente, ficou feliz por ter encontrado o lugar depois de procurar durante 20 minutos, pediu desculpas pelo atraso e estava apreensivo com a tortura talvez prestes a acontecer. Stanley Kubrick, alguém já me disse anteriormente, odeia dar entrevistas.



É difícil saber o que esperar do homem se você apenas assistiu a seus filmes. É possível sentir neles uma destreza incrível, um intelecto furioso trabalhando, uma devoção única. Seus filmes não se rendem a uma análise fácil – isso pode ser responsável pela natureza túrgida de alguns livros que foram escritos sobre sua arte. Kubrick, no entanto, parecia totalmente despretensioso. Usava tênis e uma velha jaqueta de veludo. Havia uma mancha de tinta logo abaixo do bolso, onde alguma caneta esferográfica havia sangrado até morrer.
“Que lugar é este?”, perguntou Kubrick.
“É chamado de suíte executiva”, respondi. “Acho que eles colocam os maiorais aqui.”
Kubrick olhou em volta para as paredes com painéis de madeira, os lustres, os sofás e as poltronas de couro. “Onde é o banheiro?”, quis saber, com alguma urgência.
“Do outro lado do corredor”, falei.
O diretor pediu licença e foi procurar o toalete. Revisei minhas anotações. Kubrick nasceu no Bronx (Nova York) em 1928. Foi um estudante medíocre cujas paixões eram xadrez em nível de torneio e fotografia. Após se formar no ensino médio pela Taft High School aos 17 anos, conseguiu um excelente emprego como fotógrafo para a revista Look, que abandonou quatro anos depois para rodar seu primeiro filme. Day of the Fight (1950) era um documentário sobre o boxeador peso-médio Walter Cartier. Depois de um segundo documentário, Flying Padre (1951), Kubrick pediu US$ 10 mil emprestados a parentes para fazer Medo e Desejo (Fear and Desire, 1953), seu primeiro longa-metragem, um filme artístico que agora considera “embaraçoso”. Kubrick, sua primeira esposa e dois amigos formavam toda a equipe de filmagem. Por necessidade, ele foi diretor, câmera, engenheiro de luz, maquiador, administrador, cuidava dos acessórios e era motorista. Mais tarde em sua carreira, assumiria algumas dessas funções novamente, por razões diferentes da necessidade.
O primeiro sucesso foi Glória Feita de Sangue (Paths of Glory, 1957). Durante as filmagens, Kubrick conheceu uma atriz, Christiane Harlan, com quem se casou. O filme seguinte foi Spartacus(1960), que ele considera decepcionante. Foi convidado a dirigi-lo depois que o astro, Kirk Douglas, teve uma briga com o diretor original, Anthony Mann. Kubrick não teve controle sobre o roteiro, que achava cheio de moralização fácil. Estava acostumado a rodar os próprios filmes, e a experiência o marcou. Nunca mais abriu mão do controle de nenhum aspecto de seus projetos.
Kubrick assumiu alguns riscos extraordinários e audaciosos com essas obras. A simples decisão de filmar Lolita (1961), de Vladimir Nabokov, foi suficiente para deixar alguns censores absolutamente furiosos. Dr. Fantástico (Dr. Strangelove, 1963), baseado no livro Alerta Vermelho, foi concebido como um thriller tenso sobre a possibilidade de uma guerra nuclear acidental. No entanto, enquanto trabalhava no roteiro, Kubrick acabou percebendo que as cenas que estava escrevendo eram engraçadas do jeito mais sinistro possível. Era só escorregar na casca de banana que a raça humana seria aniquilada. Seguiu seus instintos e dirigiu Dr. Fantástico como uma comédia de humor negro. O filme frequentemente é descrito como uma obra-prima.

Continue lendo em rollingstone

Screenshots

















































































































5 comentários:

  1. quase não. completamente desumano!

    ResponderExcluir
  2. Na minha modesta opinião o melhor filme de guerra de todos os tempos. Será que preciso dizer que ele é um dos meus favoritos. A maneira como diretor critica a instituição, assim como toda a estupidez da guerra é visceral. Um país que só consegue resolver seus problemas através da violência, assim como acontece hoje em dia.A primeira parte é brilhante, um filme contemporâneo de um grande diretor.Grato pela escolha do filme.

    ResponderExcluir
  3. Admiro muito o Kubrick, mas na minha opinião essa é uma de suas obras mais fracas, principalmente a segunda parte.

    ResponderExcluir
  4. Tentei baixar mas nas 2 tentativas que fiz o norton bloqueou ataque de vírus e travou a página. Ocorreu problema ou só aqui?
    Quero rever esse. Faz tempo que vi a última vez. Adoro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Car@, peço que você utilize o AdBlock plus (com o google chrome) para evitar o aparecimento de propagandas ou pop-up, de modo a fazer o download sem stress.

      Excluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila