domingo, 28 de setembro de 2014

A CANÇÃO DA ESTRADA / O LAMENTO DA VEREDA - 1955

Pather Panchali - 1955
Satyajit Ray, Legendado
Formanto: MKV
Áudio: Bengali
Legendas: PT e EN
Duração: 119 min.
Tamanho: 1,35 GB
Servidor: MEGA (Parte única)

LINK


SINOPSE
Uma das obras-prima do cinema mundial, inédita no Brasil e nas Américas. Este filme foi a estreia espetacular de Satyajit Ray. Recuperada a finais dos anos 90, pois um incêndio destruiu os negativos originais, esta é a primeira fita que deu origem à Trilogia de Apu. Nela se narra a comovente história de uma família de Bengali perseguida pela má sorte. O pai, Harihara, é um sacerdote mundano, curandeiro, sonhador e poeta. Sabajaya, a mãe trabalha para alimentar uma família, que recebe com alegria e esperança a chegada de um novo filho, Apu.
Fonte: Interfilmes
Notação IMDB: 8,1


Ficha Técnica & Capturas de Ecrã



sábado, 27 de setembro de 2014

OS CAVALOS DE DEUS - 2012

 Les chevaux de Dieu, 2012
Legendado, Nabil Ayouch

Formato: AVI 
Áudio: árabe/francês
Legendas: Pt-Br
Duração: 115 minutos
Tamanho: 1,45 GB
Servidor: 1Fichier (Parte única)

LINK
Parte única

SINOPSE
Yashin é um rapaz de 10 anos que vive com a família no bairro de lata de Sidi Moumen em Casablanca. A sua mãe, Yemma, faz o que pode para sustentar a família, que inclui um pai depressivo, um irmão no exército, outro quase autista e um terceiro, Hamid, de 13 anos, o rufia do bairro e protetor de Yashin. Hamid acaba por ser preso e Yashin começa a fazer pequenos biscates para tentar sair daquela miséria de violência e droga.

Fonte: Cinemasapo
The internet movie database: IMDB - NOTA IMDB: 7.3


Screenshots








































































































sábado, 20 de setembro de 2014

DUAS GAROTAS ROMÂNTICAS - 1967

Les Demoiselles de Rochefort, Legendado, 1967, Jacques Demy & Agnès Varda.
Classificação: Excelente
Formato: AVI (Xvid)
Áudio:
Francês
Legendas:
Português
Duração:
120 Min.
Tamanho:
1.04 Gb
Servidor:
MEGA (4 Partes)
Links:

Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4


Sinopse: Na pequena cidade de Rochefort vivem Delphine e Solange Garnier, irmãs gêmeas. A primeira ensina dança e a segunda dá aulas de música para crianças. Quando a data de um esperado evento se aproxima, as irmãs e vários outros moradores da cidade se preparam, enquanto são perseguidos pelo acaso e, principalmente, pelo amor.
Fonte: Cineplayers
The Internet Movies Database: IMDB - Nota Imdb 7.7



Crítica:
Amor
multicolorido.

Delphine (Catherine Deneuve) e Solange (Françoise Dorléac) são irmãs gêmeas: uma loura, outra ruiva. Igualmente belas, as duas se inclinam fortemente para o amor e fazem jus ao título Duas Garotas Românticas (Les Demoiselles de Rochefort, 1967). Dirigido por Jacques Demy, o musical é assinalado pelo exagero, sobretudo no que se refere às cores, sempre saturadas. Cada tonalidade empapuça os olhos de um público apresentado ao cotidiano das jovens, cujas profissões são justamente ligadas à música. Enquanto Delphine é professora de dança, Solange ensina piano e também é exímia instrumentista, detalhes que servem de ensejo perfeito para deliciosas canções que falam de amor. As personagens, inclusive, aparecem pela primeira vez entoando uma música que revela boa parte de suas características, composta de rimas doces e acompanhada de coreografias muito charmosas.

Esses minutos iniciais servem de aperitivo para uma trama em que o amor reina soberano. Em cada diálogo, o anseio das irmãs por viver a experiência única que o sentimento traz fica nítido, mas não é exclusividade delas. Cada pessoa que surge no filme vivencia uma etapa do amor e lida com ele à sua maneira, promovendo a identificação e revelando perspectivas diferenciadas para o mais tradicional dos vínculos. Entre elas, está a adorável Yvonne (Danielle Darrieux), mãe das jovens e dona de um simpático bar perto da praia. Há muitos anos, ela viveu um intenso romance com um homem, mas acabou deixando-o subitamente, sem muitas explicações. Sua atitude deixou uma profunda lacuna em seu coração e tudo o que ela deseja é reencontrar o amor do passado a fim de dar continuidade ao que se ficou suspenso no tempo.

A poucos metros dali, encontram-se Simon Dame (Michel Piccoli) e seu coração partido, que assim se encontra justamente por causa do abandono de Yvonne. Ambos não fazem ideia do quanto estão próximos, mas o destino escrito pelo próprio Demy se encarrega de produzir os encontros necessários entre os personagens e fazê-los (re)viver suas paixões com toda a intensidade. Também sobra espaço para o sorridente Andy (Gene Kelly), grande amigo de Simon que está de passagem pela França e cai de amores por certa jovem ruiva que conhece por acaso passeando pela rua. Desde então, só pensa em uma oportunidade de revê-la, e confessa seu entusiasmo ao companheiro, que o entende perfeitamente porque experimenta uma situação muito semelhante. E, como se não bastasse todos esses apaixonados, ainda surge em cena um marinheiro para quem amar é assunto muito sério. Sua busca pela garota ideal é expressa em canções que misturam encantamento e melancolia, na medida em que, quanto mais procura, mais distante parece a tal mulher ideal.

Duas Garotas Românticas é um filme que não tem a menor vergonha de sua essência. A cada nova cena, Demy reafirma seu talento como diretor e roteirista para assinar uma história que, apesar de elementos que hoje podem-se considerar datados, não perdeu nem o seu brilho nem a sua capacidade de cativar. Se fosse comparado a uma pessoa, o longa-metragem ambientado em Rochefort seria como alguém que declara o amor que sente com todas as letras, sem a menor preocupação com a possibilidade de ser ou parecer ridículo. Mesmo porque, os amantes vivem em estado de graça e não dão importância a esses detalhes.

Delphine e Solange são exatamente assim: incorrigivelmente apaixonadas pela vida e pelo amor. Mesmo antes de encontrarem os destinatários exatos para o sentimento que transborda em seu peito, elas já se mostram envolvidas pela possibilidade de encontrá-los e amam por antecipação, o que também faz o espectador de suas trajetórias se apaixonar pelas irmãs. Ambas são defendidas em sua plenitude por Deneuve e Dorléac, arrebatadoras tanto no falar, quanto no cantar e dançar – apesar de Darrieux ser a única que verdadeiramente solta a voz na história. Aliás, elas não foram a primeira escolha de Demy: o diretor havia pensado inicialmente em Brigitte Bardot e Audrey Hepburn para os papéis. Àquela altura, esta já havia seduzido o mundo em Bonequinha de Luxo (Breakfast on Tiffany’s, 1964) e aquela já tinha sido preterida o bastante em O Desprezo (Le Mépris, 1963). Poderiam ter se saído bem na pele das gêmeas, mas, ao ver a dupla escolhida em ação, parece impossível não crer que as personagens não foram escritas para elas.

Kelly, por sua vez, arrisca-se interpretando em língua francesa, e dá conta do desafio com muito talento na voz e no olhar. Sua experiência e fama alcançadas em musicais como Sinfonia de Paris (An American in Paris, 1951) e Cantando na Chuva (Singing in the Rain, 1952), certamente, foram decisivas para sua escalação e, assim como os demais personagens, é fácil se colocar no lugar de seu Andy, irremediavelmente entregue ao sentimento por Solange, um típico caso de amor à primeira vista. O largo sorriso que ele ostenta mesmo ao falar sobre sua agonia de querer também responde pela forte empatia despertada pelo personagem. Ao contrário das protagonistas, o ator sempre foi desejado por Demy para estar no filme, o que só foi possível após uma espera de dois anos, período no qual Kelly deu conta de vários compromissos. Valeu a pena ter insistido para tê-lo no elenco, acerto constatado diante do carisma que ele exala.

E o que dizer da fotografia assinada por Ghislain Cloquet? Exímio em sua arte, ele clica ambientes, expressões faciais e movimentos em total sincronia, respondendo diretamente pelo espetáculo visual que invade as retinas expostas ao filme. Preste atenção ao contraste das cores milimetricamente pensado entre as irmãs, cujas roupas, ações e acessórios dialogam o tempo todo e o fotógrafo sublinha com suas lentes. A prioridade é sempre dos tons vivazes e arrebatadores, que vão ao encontro das suaves melodias que saem dos seus lábios e produzem fascínio do outro lado da tela. Assim como Os Guarda-Chuvas do Amor (Les Parapluies de Cherbourg, 1964), Duas Garotas Românticas é um passeio multicolorido por um sentimento que serve de combustível para muitos, enaltecido e tomado sobretudo em sua porção maravilhosa. O status de cult, conquistado após alguns anos, é mais do que merecido.
Por: Patrick Corrêa
♪♫Trilha Sonora♫♫:
Parte Única

Fonte: Cineplayers









quinta-feira, 18 de setembro de 2014

AS FÉRIAS DO SENHOR HULOT - 1953

Les vacances de Monsieur Hulot, 1953
Legendado, Jacques Tati

Formato: AVI 
Áudio: francês/alemão/inglês
Legendas: Pt-Br
Duração: 85 minutos
Tamanho: 676 MB
Servidor: 1Fichier (Parte única)

LINK
Parte única

SINOPSE
Mr. Hulot (Jacques Tati) decide passar férias num hotel próximo a um balneário francês, mas acidentes e confusões insistem em acontecer onde quer que ele vá. O bem-intencionado Hulot acaba com a paz do local e impede o descanso dos demais hóspedes, provocando uma onda de catástrofes.

Fonte: Adorocinema
The internet movie database: IMDB - NOTA IMDB: 7.6


ANÁLISE

Nosso querido Hulot

Se o meio do cinema é a realidade física como tal, torna-se desafiador filmá-la sem pré-estilização mas de modo a obter um resultado com estilo. Por mais que mobilize um variado repertório de elementos pró-fílmicos (figurino, iluminação, maquiagem), Jacques Tati filma o espaço exatamente como este se apresenta previamente. E seus filmes, no entanto, estão impregnados de uma marca pessoal inconfundível, que abarca desde a caracterização do inesquecível Sr. Hulot, eternamente desajeitado e bem-intencionado, até as incontáveis piadas sonoras e os recorrentes comentários cômicos sobre a múltipla relação estética/funcionalidade do modo de vida moderno - incluindo sua arquitetura, seu ritmo, seu design, sua hierarquia de valores (nada raros sãos os personagens de Tati que se perdem em longas exposições sobre seus objetos de consumo ou de interesse).

Jacques Tati

As comédias de Jacques Tati não excluem um perfil de crônica sentimental, quer se trate da região de veraneio de As Férias do Sr. Hulot, quer se trate da vida automatizada e paradoxalmente caótica na grande cidade de Playtime e Trafic. É admirável a riqueza de sua construção de atmosfera, de um sentimento de tempo indissociável do espaço que o recepciona. Assim sendo, a ambiência experimentada em As Férias do Sr. Hulot é típica de um local de praia, com seu andamento produzido pela alternância entre situações extremamente movimentadas e longos marasmos. Da mesma forma como nos filmes de Tati o tempo é capturado quase que em estado "natural", à diferença do tempo abstrato construído pela decupagem clássica, o espaço é preferencialmente mantido em integridade física e constitutiva. Sua predileção por planos abertos e sua magistral utilização do formato panorâmico, como em Playtime, confirmam o interesse pela representação do espaço conservando não só sua condição original, mas também sua especificidade material e rítmica. Playtime joga com a transparência dos edifícios e com o vai e vem e a simultaneidade das ações cotidianas tão-somente porque a arquitetura e a vida modernas assim o permitem. E As Férias do Sr. Hulot já começa com os desencontros entre trem e passageiros porque tal jogo é suscitado pela própria organização do espaço na plataforma de embarque. A estilização do mundo pela mímica.

A maleabilidade do corpo e a preservação da continuidade sensível do espaço cômico (sempre a relacionar os personagens com o meio, as pessoas e os objetos circundantes), no cinema de Tati, traduzem mais do que a filiação a regras básicas da comédia cinematográfica: carreiam, a exemplo da manipulação da atenção do espectador através do uso criativo do som (como na magnífica cena do pingue-pongue), uma extraordinária pesquisa, embora sutil, das possibilidades de linguagem. A prova da consistência desse trabalho está nos ecos que ainda provoca no cinema contemporâneo, seja na obra do cineasta taiwanês Tsai Ming-liang, seja em algumas cenas protagonizadas pelo ator Bill Murray (de clássicos como Feitiço do Tempo e Nosso Querido Bob) no recente Encontros e Desencontros, de Sofia Coppola.

Continue lendo em Contracampo

Screenshots


























































































domingo, 14 de setembro de 2014

GENTE DO PÓ - 1947

Gente del Po, 1947
Legendado, Michelangelo Antonioni 
Classificação: Excelente

Formato: AVI 
Áudio: italiano
Legendas: Pt-Br
Duração: 10 minutos
Tamanho: 130 MB
Servidor: 1Fichier (Parte única)

LINK
Parte única

SINOPSE
Um dos filmes precursores do neo-realismo - Gente Del Po, documentário sobre uma das regiões mais miseráveis da Itália.

Fonte: Cineplayers
The internet movie database: IMDB - NOTA IMDB: 7.0


Screenshots


terça-feira, 9 de setembro de 2014

A ALUCINAÇÃO DE ULYSSES - 1967

Ulysses, 1967
Legendado, Joseph Strick
Classificação: Bom

Formato: AVI 
Áudio: inglês
Legendas: Pt-Br
Duração: 132 minutos
Tamanho: 1,45 GB
Servidor: Firedrive (Parte única)

LINK
Parte única

SINOPSE
Baseado no romance do escritor irlandês James Joyce, Ulisses foi uma das adaptações mais esperadas e polêmicas da tensa relação entre a literatura e o cinema. Diante de um desafio descomunal, Joseph Strick até certo ponto foi fiel ao magistral romance de Joyce, que conta, durante um único dia (16 de junho de 1901), as desventuras do judeu Leopoldo Bloom pelas ruas de Dublin, onde acompanhamos seu encontro com o poeta Stephen Dedalus (alterego do escritor, personagem principal de Retrato do Artista Quando Jovem) e suas preocupações com a mulher Molly. Mais de 40 anos depois de sua estréia, A Alucinação de Ulisses ainda carrega uma inequívoca aura de ineditismo, provocação e descoberta.

Fonte: Filmow
The internet movie database: IMDB - NOTA IMDB: 6.6


Screenshots