terça-feira, 16 de julho de 2019

Decálogo VII - Não roubarás

Dekalog, siedem, 1990
Legendado, Krzysztof Kieslowski
 

Formato: avi
Áudio: polonês
Legendas: português
Duração: 55min. 
Tamanho: 695 Mb
Servidor: Uptobox (Parte única)

LINK

SINOPSE
Majka deu à luz a Ania aos 16 anos, resultado de um romance com seu jovem professor de polonês. Para evitar um grande escândalo, a mãe de Majka assume a maternidade de Ania, sendo Majka definida como irmã da criança. Quando Ania completa 6 anos, o sentimento materno em Majka não consegue mais suportar a opressão externa e interna e acaba sequestrando a filha, planejando sair da Polônia e ir para a casa de conhecidos no Canadá.
O mandamento aqui está mais uma vez ligado a uma forte questão psicológica, exatamente como visto em Não Cometerás Adultério. Os problemas maternos, o tratamento para a figura do pai (o mais velho e o mais novo), a ideia da entrega do que não se tem quando apaixonado e, claro, o paradoxo do roubo daquilo que é seu são alguns dos exemplos. A discussão alcança um caráter dinâmico e interessante à medida que colocamos o amor em cena e também a ideia de posse. Como a figura angelical presente nos outros seis episódios não é vista aqui devido a problemas de agenda do ator Artur Barciś (e esta foi a primeira de duas vezes em que ele não apareceu na série – a outra seria em Não Desejarás Coisas Alheias, o Decálogo 10), a punição e o aviso divinos foram inseridos no roteiro com intensidade menor, por ser orgânico demais.
Fonte: Planocritico



IMDb Rating          8.0
Screenshots

 

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Decálogo VI - Não Cometerás Adultério

Dekalog, szesc, 1990
Legendado, Krzysztof Kieslowski
 Resultado de imagem para Dekalog, szesc poster

Formato: avi
Áudio: polonês
Legendas: português
Duração: 58min. 
Tamanho: 671 Mb
Servidor: Uptobox (Parte única)

LINK

SINOPSE
Assim como o longa Não Matarás, Não Amarás (1988) surgiu como uma “segunda visão” para um dos capítulos da série Decálogo, de Krzysztof Kieslowski. O episódio-base para o filme foi o Decálogo 6: Não Cometerás Adultério (1990), e a história central de ambas as fitas mostra a relação entre um jovem voyeur, Tomek, e sua vizinha Magda, a quem ele observa todos os dias e cujo destino se ligará ao do rapaz de uma maneira bastante triste.
A forma como os longas se diferenciam do episódio no qual foram baseados e as resoluções do diretor para os dois produtos servem como complemento entre si, muito embora isso seja melhor visto na relação entre Não Matarás e o Decálogo 5. Em Não Amarás, a realidade é bem mais parecida com a do episódio. As modificações fotográficas são poucas, o tom é mais sombrio e o desfecho muda bastante. No entanto, observamos características fortes que servem de identidade para as produções e fazem com que se encaixem, mesmo em suas diferenças, dentro de um mesmo cenário de isolamento, tristeza e desejo reprimido.
O mandamento bíblico ganha aqui nuances da psicanálise e cinefilia onde a realização de um desejo impossível é dado indiretamente pelo roubo (Tomek rouba uma luneta para observar Magda, rouba suas cartas e, simbolicamente, rouba a privacidade e liberdade da mulher) e pela mudança das características do personagem slasher que, nas palavras de Slavoj Zizek, no ensaio A Teologia Materialista de Krzysztof Kieslowski, "trata-se de uma espécie de slasher introvertido, em que o homem, em vez de agredir a mulher, volta sua raiva assassina contra si próprio."
Fonte: Planocritico



IMDb Rating          8.7


Screenshots

sábado, 13 de julho de 2019

Decálogo V - Não matarás

Dekalog, piec, 1990
Legendado, Krzysztof Kieslowski
 Resultado de imagem para Dekalog, piec poster

Formato: avi
Áudio: polonês
Legendas: português
Duração: 57min. 
Tamanho: 694 Mb
Servidor: Uptobox (Parte única)

LINK

SINOPSE
O Decálogo 5 é o único que expõe de forma literal uma posição política de Kieslowski: a sua contrariedade em relação à pena de morte. O longa-metragem Não Matarás, lançado antes da série, veio no mesmo em um período em que a pena de morte era discutida e polemizada na Polônia, e tanto o filme quanto o Decálogo exploram a complexidade dessa questão entrelaçando o tema bíblico em pauta (a santidade da vida) ao tema de Kieslowski (crime e castigo).
O filme Não Matarás teve origem na produção do Decálogo. Kieslowski tinha intenção em estender para o cinema o material filmado para a TV, então, durante as gravações, fez pelo menos duas tomadas de cada cena, para então escolhê-las na hora da montagem e designar a mídia para a qual cada uma iria. É muito importante que tenhamos isso em mente a fim de não cairmos no erro de análise temática ou e intenções do diretor em relação aos dois produtos e, sim, enxergá-los como complemento dramático um do outro.
Não Matarás (o filme) foi lançado em 1988 e o Decálogo 5 (o episódio e TV) em 1990. O espaço de tempo entre um e outro deve-se ao fator mercadológico da televisão e do término das filmagens para os outros episódios, não à produção posterior do episódio de TV mediante a recepção do filme, como muita gente acredita. A origem de ambos os produtos é exatamente a mesma, eles só foram diferenciados durante a montagem e os efeitos da pós-produção, onde ganharam identidades estéticas distintas, especialmente em um aspecto: a fotografia.
Fonte: Planocritico



IMDb Rating          8.5


Screenshots

quinta-feira, 11 de julho de 2019

Decálogo IV - Honrarás Pai e Mãe

Dekalog, cztery, 1989
Legendado, Krzysztof Kieslowski
 

Formato: avi
Áudio: polonês
Legendas: português
Duração: 56min. 
Tamanho: 695 Mb
Servidor: Uptobox (Parte única)

LINK

SINOPSE
Baseado no quinto mandamento, “Honra teu pai e tua mãe, para que teus dias se prolonguem sobre a terra.”, o Decálogo 4 é um episódio atípico em relação aos anteriores. Primeiro porque a punição divina à desobediência não se dá no tempo fílmico; segundo, porque o ato rebelde é quase ínfimo se comparado ao dos decálogos Um, Dois e Três [muito embora esta seja uma observação jurídica secular, já que para Deus não existe “pecadinho” ou “pecadão”: pecado é pecado e são punidos com o mesmo resultado final, caso não haja arrependimento por parte do pecador].
A ação que descumpre o mandamento no Decálogo 4 acontece de dois modos. O primeiro deles é o desprezo da filha para com um pedido póstumo da mãe. O segundo, é a manutenção do desejo incestuoso da filha pelo pai. Como ambos duvidam da paternidade, o desejo contido não parece tão grave mediante a situação, mas a descoberta de uma carta deixada pela falecida mãe pode fazer ruir esta mentira inventada, de modo que ambos preferem queimar o envelope a descobrir a verdade. A opção pela ignorância, aparentemente, libertaria Anna e Michael de seus desejos incestuosos, mas longe disso (e essa é a punição): nasce uma espécie de maldição moral que irá persegui-los ad eternum.
O filme começa na manhã de uma segunda-feira de Páscoa. Num primeiro momento, a relação entre Anna e Michael dá a entender que eles são marido e mulher, tal a força dos olhares e atitudes de um para com o outro. A água, elemento purificador, símbolo da vida (reafirmado pela Páscoa, a ressurreição de Cristo), é derramada como uma espécie de unção sobre a cabeça de Michael, que ainda dorme. Essa atitude guarda um quê de profanação e podemos aplicar a desonra não só ao pai e a mãe terrenos, mas a Deus, o pai celestial, representado na figura de Cristo, em seu dia de ressurreição. A revelação do Complexo de Édipo vem colorir a manhã dos protagonistas com uma espécie de ritual há muito praticado.
Fonte: Planocritico



IMDb Rating          8.5


Screenshots