Importante

Para que o blog continue é fundamental que vocês deixem o filme compartilhando por pelo menos 3 vezes o tamanho do arquivo original. Se um arquivo tem o tamanho de 1gb, é importante que vocês deixem compartilhando até atingir 3gb. Isso ajudará a manter o arquivo com seeds (sementes) para que outras pessoas possam baixam os arquivos.

quarta-feira, 31 de julho de 2019

2046: OS SEGREDOS DO AMOR - 2004

2046, 2004
Legendado, Wong Kar-wai
Resultado de imagem para 2046 wong kar wai poster 

Formato: avi
Áudio: cantonês, japonês e mandarim
Legendas: português
Duração: 2h 09 min.
Tamanho: 1,12 GB
Servidor: Uptobox (parte única)

LINK

SINOPSE
Se em Amor à Flor da Pele, o diretor chinês Wong Kar-Wai resvala no sublime para falar de uma paixão entre um homem e uma mulher, ambos casados com outras pessoas, moradores de uma mesma pensão na Hong Kong dos anos 60, em 2046 – Os Segredos do Amor o cineasta reencontra um dos protagonistas em um momento muito diferente de sua vida.
Chow (Tony Leung, grande astro do cinema chinês) ressurge desiludido, e agora entregue à lascívia. Trocou o amor pelo sexo sem compromissos. O sujeito honrado, retraído e algo solene de Amor à Flor da Pele transfigurou-se. Sem ter concretizado a paixão nutrida por olhares e toques fortuitos com as ex-amantes, ele agora encarna uma espécie de sátiro, revezando parceiras em sua cama como quem troca de camisas no verão. Tudo para escapar da possibilidade de se envolver emocionalmente.
2046, cuja narrativa é mais fragmentada do que seu antecessor, mostra quatro relacionamentos fugazes do jornalista, que agora dedica-se a escrever um romance, cujo título coincide com o do filme. E essa trama, ficcional, também integra a narrativa do longa de Wong Kar-Wai.
Nessa história dentro da história, 2046 é uma instância espaço-temporal e de espírito à qual as pessoas vão para resgatar memórias perdidas. Um lugar onde nada se altera. Também é o número do quarto de hotel onde Chow encontrava sua vizinha, vivida por Maggie Cheung, em Amor à Flor da Pele. Mas o cineasta chinês também empresta a esse detalhe de seu belo filme um significado metafórico e político: 2046 é o último ano do período estipulado pela China a Hong Kong para que tudo na ex-colônia britânica se readeque ao que Pequim estabelece com norma.

Fonte: aescotilha



IMDb Rating          7.5




Trailer

Screenshots

terça-feira, 30 de julho de 2019

AMOR À FLOR DA PELE - 2000

Fa yeung nin wa, 2000
Legendado, Kar-Wai Wong
 Resultado de imagem para in the mood for love poster

Formato: avi
Áudio: cantonês, shangainês, espanhol e francês
Legendas: português
Duração: 1h 38 min.
Tamanho: 643 MB
Servidor: Uptobox (parte única)

LINK

SINOPSE
"Viver essa vida é mais um lembrar-se indireto
dela do que um viver direto. Parece uma
convalescença macia de algo que no entanto
poderia ter sido absolutamente terrível"

Clarice Lispector, Água Viva

Amor à Flor da Pele é estupendo. Esse que muitos críticos têm considerado o melhor trabalho de Wong Kar-wai é, talvez, o mais belo filme do ano. Um dos mais proeminentes diretores de Hong Kong, Wong conseguir criar uma obra delicada e arrebatadora, em que mais uma vez faz, de maneira exemplar, o universal emergir do particular.
Hong Kong, 1962: época de mudanças – a Revolução Cultural na China mexeu com a vida de muitas famílias (a de Wong, por exemplo, saiu de Xangai nesse período), e o inchaço populacional combinado à situação econômica do lugar fez com que muitas pessoas precisassem alugar quartos em casas de outrem. E é justamente em torno de dois casais que sublocam quartos em apartamentos vizinhos que é construído Amor à Flor da Pele: um love affair entre dois dos cônjuges acaba por aproximar as partes traídas, no caso a sra Chan (Maggie Cheung, divina), uma secretária, e o sr Chow Mo-wan (Tony Leung, maravilhoso), um jornalista.
A atmosfera que paira sobre os lugares que eles freqüentam já é um bocado concupiscente, e isso se nos aparece nas relações que travam em seus empregos: Su Li-zhen (a sra Chan) ajuda o chefe a driblar a esposa para que este consiga se encontrar com a amante (em um momento, inclusive, quando encarregada de comprar presentes para ambas, diz que podem ser a mesma coisa, já que não faz mesmo diferença – triste ironia, pois que são exatamente duas bolsas iguais o motivo que a faz ter certeza da traição do marido); o maior amigo do sr Chow, Ping, por sua vez, arma planos mirabolantes para conseguir se encontrar com uma mulher casada e é capaz de dar calote em um lupanar.
Su Li-zhen e Mo-wan começam a travar contato por causa de sua desconfiança: o homem convida a bela vizinha para um café de modo a tentar descobrir algo e eles, juntos, acabam por ter certeza de que estão sendo traídos. A partir daí, desde que os amantes estão viajando, os dois começam a passar cada vez mais tempo juntos e o que era formalidade acaba dando lugar a sentimentos profundos porém contidos: "Não seremos iguais a eles" diz a sra Chan em determinado momento ao sr Chow, claramente refreando seu amor por não querer repetir os atos de seu marido.

Fonte: Contracampo



IMDb Rating          8.1




Trailer

Screenshots

segunda-feira, 29 de julho de 2019

FELIZES JUNTOS - 1997

Chun gwong cha sit, 1997
Legendado, Wong Kar-wai
Resultado de imagem para Chun gwong cha sit poster 

Formato: avi
Áudio: mandarim, cantonês e espanhol
Legendas: português
Duração: 1h 36 min.
Tamanho: 635 MB
Servidor: Uptobox (parte única)

LINK

SINOPSE

A dualidade entre paixão e perigo é um dos elementos constantes no tango: ao mesmo tempo em que há um flerte sensual em jogo, existe também um senso de tragédia e até melancolia, à medida que os corpos se aproximam, se abraçam e se afastam um do outro na dança. Em Felizes Juntos (1997), do chinês Wong Kar-Wai, o tango surge literal e metafórico: dois homens dançam agarrados numa cozinha suja, em um breve momento que pode até parecer infinito, mas é apenas uma trégua no meio de um relacionamento destrutivo, filmado com a intensidade de um tango cinematográfico.
A ironia já começa pelo próprio título: por mais amor que exista na relação, parece impossível para os protagonistas Lai Yiu-Fai (Tony Leung Chiu-Wai, ótimo no papel) e Ho Po-Wing (Leslie Cheung) encontrar a felicidade juntos. Os dois saem de sua terra natal, Hong Kong, para morar em Buenos Aires, na Argentina, e lá tentar se reconciliar. Porém, uma nova separação acontece assim que o casal chega ao país e logo os dois se veem mergulhados novamente numa série de idas e vindas sem fim, e se veem forçados a morar no país, sem dinheiro para partir. Por mais que Po-Wing insista em sempre dizer “vamos recomeçar”, cada um acaba colaborando a seu modo para uma relação cada vez mais tóxica e sufocante.
Wong Kar-Wai, um dos principais expoentes do que seria considerada uma “segunda Nouvelle Vague” de Hong Kong, filma esse relacionamento com crueza e brutalidade, expondo as ações que os homens infligem um ao outro de tal maneira que, no início, é até difícil para o espectador criar alguma empatia por qualquer um dos envolvidos. Po-Wing é a personalidade mais instável do casal, que sai com diversos homens e os leva até o clube onde Yiu-Fai passa a trabalhar. Yiu-Fai, quase sempre provocado pelo outro, no momento em que tem a oportunidade, mantém Po-Wing praticamente como um refém, roubando seu passaporte. É um relacionamento que nunca parece encontrar um fim, assim como a porta do apartamento de Fai, que nunca fecha direito. Assim, ao som dos tangos de Astor Piazzolla, reforçando a metáfora da dança, traça-se um círculo vicioso do qual nenhum consegue se desprender inteiramente.

Fonte: Cineset



IMDb Rating          7.8




Trailer

Screenshots

domingo, 28 de julho de 2019

ANJOS CAÍDOS - 1995

Do lok tin si, 1995
Legendado, Wong Kar-wai
Resultado de imagem para Do lok tin si poster 

Formato: avi
Áudio: Min Nan, inglês, mandarim, cantonês, japonês
Legendas: português
Duração: 1h 39 min.
Tamanho: 691 MB
Servidor: Uptobox (parte única)

LINK

SINOPSE

"A estrada não é longa. Sei que logo descerei da moto. Mas estou sentindo tanto calor agora...", narra uma das personagens principais ao fim de Anjos Caídos, quinto filme de longa-metragem de Wong Kar-wai. Essa fala, contudo, pode ser a chave para a compreensão de toda a sua obra, baseada no instante, no elemento fugaz do tempo, da impossibilidade de permanência de qualquer coisa. Não por acaso, os fins são sempre recorrentes em seus filmes: os fins de relacionamento, as mortes, as viagens... tudo que denota movimento. E uma tal visão de mundo pede obrigatoriamente essa estética apressada, artificial, da beleza superficial, que já foi tantas vezes interpretada como esteticismo vazio por vários críticos. O cinema de Wong repousa, ao contrário, numa lógica da incompletude (o que é muito diferente de vazio), numa forte tentativa de agarrar o mundo com os pés, ou de tentar prender um pouco d'água com as mãos. Tudo sempre no fim escapa.
A imagem mais recorrente do filme também explica muito da arte de seu diretor. É uma imagem de exterior, feita a poucos metros da casa de um dos personagens. Do lado esquerdo da tela, vemos a janela de um quarto (um quarto onde não se realiza um amor desejado); do lado direito, a vista da janela, que dá para um trem bala que, do alto, atravessa a cidade, a toda velocidade. Os personagens de Wong são como esse trem-bala; só que a cidade eles têm que cruzar por baixo, e é isso que causa todos os problemas. Eles não têm começo nem fim, estão sempre em pleno momento, obrigados a viverem nele, desgarrados obrigatoriamente de qualquer raiz ou fim a alcançar. É o sentimento de toda uma geração da qual Wong Kar-wai é o único representante no atual cenário do cinema contemporâneo.
Anjos Caídos se estrutura a partir da vida de quatro personagens, que compartilham suas emoções com os espectadores através de uma voz off que isenta Wong de realizar imagens naturalistas. Sim, não estamos no terreno do verossímil – não, pelo menos, no verossímil comum dos filmes de ficção. O diretor se dá uma liberdade (ajudado pela hábil mão de Christopher Doyle, diretor de fotografia) que poucos cineastas podem se dar; usa filtros estranhos, películas de outra sensibilidade, fast-forwards, câmara lenta, luz estourada, vídeo, etc. A fugacidade dos personagens é acompanhada pela fugacidade das imagens. O filme se abre com a apresentação do personagem de Leon Lau, um matador de aluguel que gosta de ter essa profissão porque ele não precisa fazer decisão alguma. Ele tem uma espécie de secretária/administradora (interpretada pela ex-miss Michelle Reis) que, apesar de trabalhar com ele por exatos 155 dias, só o viu uma vez ou duas. Num outro canto da cidade de Hong Kong, Ho, um jovem desempregado (Takeshi Kaneshiro), que ficara mudo ao comer um abacaxi enlatado que havia passado da validade, arromba a porta de lojas à noite para dar uma de vendedor. Ele acaba encontrando (e se apaixonando) em uma de suas perambulações uma mulher que vive ao telefone xingando uma tal loura que teria lhe roubado o namorado. E é uma loura – coincidência? –, histérica e espevitada, que acaba conhecendo e tendo um caso com o personagem do matador. São essas quatro figuras os anjos caídos que nos revelam as suas intimidades através dessas vozes off que estruturam a narrativa do filme.

Fonte: Contracampo



IMDb Rating          7.7




Trailer

Screenshots

sábado, 27 de julho de 2019

AMORES EXPRESSOS - 1994

Chungking Express, 1994
Legendado, Wong Kar-wai
Imagem relacionada 

Formato: avi
Áudio: cantonês, inglês, mandarim, hindi, punjabi, japonês e urdu
Legendas: português
Duração: 1h 42 min.
Tamanho: 690 MB
Servidor: Uptobox (parte única)

LINK

SINOPSE
Mesmo que Hong Kong (especialmente nos anos 60) seja o cenário preferido do diretor, há variações de espaços e contextos em que suas personagens estão presentes. Em Amores Expressos, essa colocação geográfica e social se dá em duas partes. Na primeira, um policial (nº223) tem o coração partido quando o namoro é terminado. Embora questionemos a existência dessa garota (já que nunca a vemos), acompanhamos o sofrimento do jovem, que é magistralmente interpretado pelo taiwanês Takeshi Kaneshiro. Na fase final de seu conto de amor, ele se apaixona por uma poderosa mulher do mundo do crime. A cena em que ele, bêbado, pede para fazer companhia para ela em um bar é um os encontros mais icônicos de um casal que eu já vi no cinema. A mesma coisa se dá para a cena seguinte, no hotel, quando ele come a noite praticamente inteira, assistindo a filmes chineses antigos.
O segundo conto é mais delicado e tocante. Desta vez, trata-se do policial 663, que namora uma aeromoça e que algum tempo depois também se vê sozinho. Sua vida é invadida, sem que ele saiba, pela graciosa Faye (pepel interpretado por Faye Wong, que voltaria a trabalhar com Kar Wai em 2046 – Os Segredos do Amor). O diretor executa de maneira lenta uma das coisas mais interessantes em relação a um romance. Aproveitando-se da fraqueza do policial 663, Faye literalmente redecora sua casa, substituindo a memória da namorada antiga pela sua memória, pela sua presença. Roupas, fotografias, ursos de pelúcia, música, peixes de um aquário, chinelos, canecas… tudo passa por uma meticulosa transformação.

Fonte: Planocritico



IMDb Rating          8.1




Trailer

Screenshots


sexta-feira, 26 de julho de 2019

DIAS SELVAGENS - 1990

Ah Fei Zing Zyun, 1990
Legendado, Wong Kar-wai
Resultado de imagem para Ah Fei Zing Zyun poster 

Formato: avi
Áudio: cantonês, xangainês, filipino, inglês e mandarim
Legendas: português
Duração: 1h 34 min.
Tamanho: 1,13 GB
Servidor: Uptobox (parte única)

LINK

SINOPSE
Como é de comum nos filmes de Kar Wai, a história se passa em Hong Kong, na década de 1960. O filme nos traz algumas tramas individuais aparentemente desconexas, que se cruzarão com o tempo, todas elas direcionadas para o mesmo objetivo: a busca pelo amor. No paraíso alienado e isolado de suas personagens, o diretor acompanha o surgimento e a desilusão das relações amorosas, fraternas ou familiares.
Como principal integrante da “Nouvelle Vague de Hong Kong” (segundo definição do pesquisador Ackbar Abbas, 1997), Kar Wai faz valer o teor comercial dessa “nova onda”, produzindo filmes profundos e experimentais, possíveis de serem amplamente distribuídos. Em Dias Selvagens, a inspiração vinda da escola francesa aliou-se a um estilo próprio de “cinema transnacional” de Hong Kong e resultou em um produto que não pode ser classificado como obra-prima, mas que já anunciava o surgimento de um dos mais originais realizadores da última década do século XX. O uso pontual da música, o virtuosismo fotográfico, as muitas elipses narrativas mais uma rigorosa edição em continuidade dão ao filme todos os elementos que seriam aprimorados pelo diretor a partir de então.

Fonte: Planocritico



IMDb Rating          7.6




Trailer

Screenshots

quinta-feira, 25 de julho de 2019

PELO REI E PELA PÁTRIA - 1964

King and country, 1964
Legendado, Joseph Losey

Formato: mp4
Aúdio: inglês
Legendas: Pt-Br
Duração: 89 minutos
Tamanho: 1,24 Gb
Servidor: Uptobox (Parte única)


LINK
Parte única

SINOPSE
Durante a Primeira Guerra Mundial, um soldado é acusado de deserção. O oficial designado para defendê-lo na corte marcial passa a investigar a situação e descobre que existem muitos fatores obscuros no caso.



IMDb Rating          7.5




Trailer

Screenshots

quarta-feira, 24 de julho de 2019

SILÊNCIO E GRITO - 1968

Csend És Kiáltás, 1968
Legendado, Miklós Jancsó
 Imagem relacionada
Formato: AVI
Áudio: húngaro
Legendas: Português
Duração: 1h 17min
Tamanho: 1,01 GB
Servidor: Uptobox (Parte única)

LINK
Parte Única


SINOPSE
Depois de uma fracassada tentativa de tomada de poder pelos comunistas húngaros em 1919, a polícia e o exército iniciam a perseguição aos insurgentes. Um jovem comunista se refugia na zona rural, colocando em rota de colisão dois velhos amigos: o fazendeiro que acolhe o fugitivo e o oficial de polícia repressora responsável pela captura do revolucionário.



IMDb Rating          7.1



Resultado de imagem para dailymotion

Trailer

Screenshots

terça-feira, 23 de julho de 2019

FARGO - 1996

Fargo, 1996
Legendado, Ethan e Joel Cohen

Formato: AVI
Áudio: Inglês
Legendas: Português
Duração: 1h 38min
Tamanho: 693 MB
Servidor: Uptobox (Parte única)

LINK
Parte Única

Sinopse
Em 1987 em Fargo, no Dakota do Norte, o gerente (William H. Macy) de uma revendedora de automóveis, ao se ver em uma delicada situação financeira, elabora o seqüestro da própria esposa (Kristin Rudrüd) e faz um acordo com dois marginais, que ganhariam um carro novo e metade dos 80 mil dólares que seriam pagos pelo seu sogro, um homem muito rico. Mas uma série de acontecimentos não previstos cria logo de início um triplo assassinato e uma chefe de polícia grávida (Frances McDormand) tenta elucidar o caso, que continua provocando mais mortes.

Fonte: Filmow



IMDb Rating          8.1




Trailer

Screenshots

segunda-feira, 22 de julho de 2019

FESTA DE FAMÍLIA - 1998

Festen, 1998
Legendado, Thomas Vinterberg

Formato: AVI 
Áudio: dinamarquês/alemão/inglês
Legendas: português
Duração: 105 minutos
Tamanho: 996 MB
Servidor: Uptobox (Parte única)

LINK
Parte única

SINOPSE
Patriarca (Henning Moritzen) de família dinamarquesa comemora seus 60 anos em grande estilo, reunindo a família em um hotel de luxo. Mas uma revelação feita por seu filho pode estragar a festa.

Fonte: Adorocniema


IMDb Rating          8.1




Trailer

Screenshots

domingo, 21 de julho de 2019

Decálogo X - Não Cobiçarás Coisas Alheias

Dekalog, dziesiec, 1990
Legendado, Krzysztof Kieslowski
Resultado de imagem para Dekalog, dziesiec

Formato: avi
Áudio: polonês
Legendas: português
Duração: 55min. 
Tamanho: 693 Mb
Servidor: Uptobox (Parte única)

LINK

SINOPSE
O Decálogo 10 (exibido em 24 de junho de 1989) é impressionante em tantos sentidos e fecha a série de maneira tão orgânica que o espectador quase se esquece de que ele foi feito sob um altíssimo nível de stress do diretor Krzysztof Kieslowski, que trabalhava ininterruptamente desde Sem Fim (1985) como forma de se afastar dos problemas pessoais (motivados por elementos artísticos e políticos) pelos quais passava.
Com este episódio, o diretor amarrou todas as pontas possíveis dentro de sua proposta de reinterpretar os 10 Mandamentos e ainda nos trouxe uma visão abrangente para a série, aludindo a uma forma de olhar a vida com ou sem religiosidade: enxergar-se como humano, entender que o mundo não funcionará exatamente da forma como queremos só porque queremos, ter respeito pelas pessoas e dar abertura moral para o diálogo com o que é diferente daquilo a que se está acostumado. Um forma bastante eficiente de estabelecer “outros mandamentos”, não?
A trama de Não Cobiçarás Coisas Alheias é uma comédia de humor negro com alguns elementos de suspense e, aqui, diferente do Decálogo 9, ligado ao ambiente de conspiração que o espectador ora percebe como terror, ora percebe como gângster. Aquele velho que vemos mostrar uma pasta de selos para a professora de ética em Não Levantarás Falsos Testemunhos morre neste episódio e deixa sua valiosíssima coleção de selos para os dois filhos; um jovem cantor de uma bada de punk rock — que inicia o episódio com uma letra que repassa os mandamentos em ordem bastante sintomática –; e um pai de família cuja relação com a esposa é frágil e a relação com o filho bastante próxima, exatamente o oposto de sua própria relação com o pai que acabara de morrer.
Fonte: Planocritico



IMDb Rating          8.5
Screenshots

sábado, 20 de julho de 2019

Decálogo IX - Não Desejarás a Mulher do Próximo

Dekalog, dziewiec, 1990
Legendado, Krzysztof Kieslowski
Resultado de imagem para Dekalog, dziewiec,

Formato: avi
Áudio: polonês
Legendas: português
Duração: 55min. 
Tamanho: 693 Mb
Servidor: Uptobox (Parte única)

LINK

SINOPSE
A relação deste Decálogo 9, Não Desejarás a Mulher do Próximo, com o cinema de Alfred Hitchcock, é gigantesca. Krzysztof Kieslowski formulou aqui toda uma base que ostenta a cobiça de um homem impotente pela sua própria mulher (o diálogo com Não Roubarás, onde uma mãe rouba a própria filha, não é gratuito) e coloca em cena inúmeros jogos de poder, amor e ódio que deixam o espectador tenso, aguardando uma tragédia que não vem nem na hora e nem do modo em que se espera. Logo fica claro que o engano e a ansiedade vão permear toda a discussão sobre o mandamento em questão, e isso não só em termos de conteúdo da trama, mas também nas características técnicas deste Decálogo 9.
Observe como a montagem de Ewa Smal ganha um ritmo bem diferente do que ela aplicara nos oito capítulos anteriores da série. Algo um pouco mais intenso havia sido feito em Não Cometerás Adultério / Não Amarás, mas nada como o que ela realiza aqui. Primeiro, temos uma brincadeira de campo-contracampo entre cenas filmadas em lugares completamente diferentes, dando a impressão de um diálogo que na verdade não existe, ou pelo menos não existe per si, mas no todo, tais cenas se relacionam e se completam dramaticamente. Depois, à medida que essas “pontas soltas” do início vão se ajustando e a trama começa a ficar mais fluída – e ao mesmo tempo mais misteriosa – vemos o mandamento ser explorado da forma menos óbvia possível.
Fonte: Planocritico



IMDb Rating          8.2
Screenshots