sexta-feira, 27 de julho de 2012

TERRA EM TRANSE - 1967

Terra em transe, 1967
Glauber Rocha
"Este é o povo: Um imbecil, um analfabeto, um despolitizado"
Classificação: Excelente 

Formato: AVI
Áudio: Pt-Br
Duração: 106 min.
Tamanho: 711 MB
Servidor: Mega (Parte única)

LINK

SINOPSE
Num país fictício chamado Eldorado, o jornalista e poeta Paulo (Jardel Filho) oscila entre diversas forças políticas em luta pelo poder. Porfírio Diaz (Paulo Autran) é um líder de direita, político paternalista da capital litorânea de Eldorado. Dom Felipe Vieira (José Lewgoy) é um político populista e Julio Fuentes (Paulo Gracindo), o dono de um império de comunicação. Em uma conversa com a militante Sara (Glauce Rocha), Paulo conclui que o povo de Eldorado precisa de um líder e que Vieira tem os pré-requisitos para a missão. Grande clássico do Cinema Novo, o filme faz duras críticas à ditadura.

Fonte: Interfilmes
The internet movie database: IMDB - NOTA IMDB: 7.5



ANÁLISE

À Beira do Abismo
por Daniel Caetano

O filme anterior de Glauber Rocha, Deus e o Diabo na Terra do sol, havia sido concebido e filmado ainda em 1963, antes do golpe militar que derrubou João Goulart e que pouco a pouco ia minando boa parte dos sonhos de sua geração. A conversa agora era outra. O mundo a mudar não estava escondido no interior distante, o mundo estava mudando para pior em todos os lugares, em plenas metrópoles, o mundo estava mudando bem debaixo das fuças dos idealistas que achavam que estavam mudando o mundo. Terra em Transe é sobre isso, é sobre essa paulada na cabeça que foi ver suas ilusões indo por água abaixo após a violência institucional.
************
Como é dito no filme, pelo seu protagonista, Paulo Martins:
"Não anuncio cantos de paz, nem me interessam as flores do estilo."
Esclarecendo depois:
"Todos somos simpáticos, desde que ninguém nos ameace"
************
Cinema Novo? O intelectual muda o mundo? Todo mundo dizia que "cinema novo é Glauber Rocha no Rio de Janeiro".
Nem todo "movimento cultural" merece ser classificado como tal. Não raro, não há pontos em comum entre seus produtos, além de serem produzidos na mesma época e/ou pela mesma geração. Mas há algo que une claramente filmes e idéias daquilo que chamamos Cinema Novo: todos os filmes procuravam definir o país, todos os filmes procuravam mostrar um olhar sobre o Brasil, fosse por singularidades, analogias ou alegorias.
Depois de uma primeira fase, uma fase de "mergulho no país", os cineastas estavam voltando o seu olhar para si. Mais do que meramente urbana, aquela que chamamos de segunda fase do Cinema Novo acabava sendo uma análise do papel deles mesmos e da sua geração. Só que isso não se restringiu aos cinemanovistas.
Lembrando o intelectual interpretado por Paulo Goulart em Rio Zona Norte, já dá para notar a descrença que o cinema daquela época tinha na ação dos "sábios", mesmo olhar descrente que também aparecia em algumas cenas do filme de Diegues, A Grande Cidade. Foi em O Desafio que Paulo César Saraceni se colocou como um agente do seu tempo, e percebeu como questão central o papel que eles, cineastas dispostos a "mudar o mundo", tinham naquilo tudo. Foi o primeiro de uma onda, numa série de filmes em que quem fazia cinema se viu no espelho, a si e à sua geração. É dessa fase, além dos citados Terra em Transe O Desafio, também O Bravo Guerreiro, de Gustavo Dahl, São Paulo S.A., de Luís Sérgio Person,As Amorosas, de Walter Hugo Khouri, A Vida Provisória, de Maurício Gomes Leite, El Justicero, de Nelson Pereira, e mesmo os filmes de Domingos de Oliveira, entre outros. Com todas as imensas diferenças que têm, são filmes que retratam a geração a que pertenciam os cineastas. E vale lembrar que é dessa época o documentário que Joaquim Pedro de Andrade fez para uma rede de Tv alemão, Cinema Novo, mostrando seus amigos produzindo e apresentando seus filmes, mostrando inclusive parte das filmagens de Terra em Transe, no Teatro Municipal.
************
Terra em Transe é um filme especial. Será que isso é uma obviedade? Deve ser, mas é preciso reafirmar. No início da década passada, foi contestado por um célebre dramaturgo televisivo, que repetia os mesmos argumentos de que zombava Glauber no artigo que publicamos nessa edição. Ninguém entende o filme, dizem alguns. A resposta do cineasta ponderava sobre o cinema equivalente à poesia de Rimbaud ou à pintura de Cézanne ou Van Gogh. É preciso entender tudinho?
************
Diz Paulo Martins no filme:
"Precisamos resistir, resistir!, e eu preciso cantar, eu preciso cantar!

Não é mais possível essa festa de medalhas..."

É um filme especial. Operístico e barroco são sempre os adjetivos que acompanham esse tipo de análise. Pois é, é isso aí. É um filme na corda bamba, é um filme desesperado e amargurado. É o triste fim de quem levou a sério a idéia de mudar as condições sociais do país.
*************
Em Eldorado, capital de um país de mesmo nome, Paulo Martins é um poeta que trabalha como jornalista e "ghost-writer" de políticos, um sujeito que, com suas ambições poéticas, pretende conciliar a ética e a estética. Quer ser poeta, mas quer falar de temas... políticos! Não tendo espaço para isso em Eldorado, abandona sua namorada arranjada e seu protetor, o senador eleito Porfirio Diaz, e, e vai para a província de Alecrim, onde conhece Sara, descobre a pobreza de seu povo e passa a assessorar Felipe Vieira, candidato a governador. A impostura populista de Vieira logo se revela, e um golpe é tramado para lhe tirar do poder. Diante da covardia de Vieira, Paulo se desespera e prega a luta armada. Foge, e acaba sendo baleado.
O filme é contado quase todo num imenso flash-back, onde Paulo, às portas da morte, relembra toda a história. Através desse mote, de uma história relembrada por um homem agonizante, aparece uma trama que enlaça um sujeito que, a despeito de seu temperamento impetuoso e das pequenas maldades que comete, permanece ligado aos seus ideais até o fim, até o ponto em que for necessário.
Parece que todo o filme se sintetiza na percepção amarga de Sara: "A política e a poesia são demais para um só homem". Paulo Martins diz ter "A fome do absoluto", busca até o fim conciliar os extremos, e fracassa.
Dom Porfirio Diaz é um inimigo odiado e admirado, é quem perdeu todos os pudores em busca do poder pelo poder, capaz de trocar de aliados ao sabor dos ventos. Tem um discurso totalmente fascista, é talvez o mais claro vilão dos filmes de Glauber. É elite desde Pedro Álvares Cabral, e de lá não sai por fazer política com competência. Política dessas que se faz nos escritórios. Diaz tem horror do povo e das ruas. Foi radical de esquerda na juventude, e agora seu discurso é pela família e por Deus.
Felipe Vieira é o aliado-símbolo, o líder político que acaba por se mostrar frágil, covarde, populista, ineficiente. É o fascínio pelo papel desempenhado por João Goulart, o líder que não existiu. Paulo, o ideólogo de Vieira, se vê traído pelo seu patrão, o magnata das comunicações Julio Fuentes. Fuentes, que se considera um "homem de esquerda", é convencido do perigo que corre com a ascensão de projetos populistas, e acaba se unindo a Diaz e à multinacional Sprint, fabricante de armas, para impedir a vitória de Vieira na eleição presidencial que se aproxima. Diante de um acontecimento fortuito, em que Vieira vacila diante da necessidade de sacrificar um leão-de-chácara aliado (referência a Vargas e Fortunato? Ou profetização do Riocentro?), os acontecimentos se precipitam, e os militares tratam de tirar Vieira do poder. Diaz nos informa, zombeteiro, que a luta de classes existe, e pergunta a cada um da platéia, você sabe a que classe pertence?
*************
O que é mais triste, a sordidez do projeto elitista e autoritário? Ou a fragilidade mentirosa do projeto populista? Vieira vai ao populacho, abraça todo mundo e não resolve nada, ao contrário, só faz cagadas. Já Diaz nem cogita em chegar perto do povo. (teria medo de perder o Rolex, talvez).
E o povo? O povo é representado por José Marinho, numa cena famosa e antológica, em que ele, presidente de sindicato, é instado a se manifestar, e inicia um discurso óbvio e despreparado. É interrompido por um irritado Paulo, que nos diz:
"Este é o povo: Um imbecil, um analfabeto, um despolitizado".
Não há esperança nas ações do povo. Não há esperança na fibra dos políticos honrados. Muito menos no discurso reacionário. Terra em Transe é amargurado, é um filme que termina destruído como seu protagonista. Vai até as raias da loucura por seu idealismo, e termina desiludido e abandonado, partindo numa tentativa desesperada, que nada mais seria do que o encontro com seu fim. A luta por ideais justifica a vida, e é preferível o fim da vida a continuá-la sem seus ideais. É o destino reservado aos mártires.
*************
Talvez seja um filme ultrapassado nos dias de hoje. Alguém acha isso?
O que pode querer dizer "datado"? Sim, acho que Terra em Transe é datado, é um filme que surge de seu momento, que não poderia existir nem antes nem depois. E isso só o torna mais significativo, mas não anula qualquer uma das suas questões ou obscurece qualquer que seja das suas imensas qualidades.
*************
Logo no início, diz um letreiro, com parte do poema de Mário Faustino que inspirou o filme:
"Não conseguiu firmar o nobre pacto

Entre o cosmo sangrento e a alma pura

--------------

Gladiador defunto, mas intacto
(Tanta violência, mas tanta ternura)"

*************
Agora me lembro de quando tinha catorze anos de idade.
Alguns filmes nos dão imenso prazer. Alguns outros marcam nossa memória. Uns poucos podem até ajudar a definir nossos padrões, éticos ou estéticos. Mas há os casos em que um filme balança nossa cabeça e muda o norte de nossa vida, há casos em que o impacto de uma obra pode ajudar a resolver questões definitivas para nós, pode, enfim, mexer conosco a ponto de decidirmos "o que vamos fazer na vida".
Acho que a melhor maneira de encerrar este texto é reconhecendo que é assim que me lembro de Terra em Transe.


Análise retirada do site Contracampo
Para outra análise do filme "Terra em Transe" o Convergência Cinéfila indica o artigo "TERRA EM TRANSE (1967, GLAUBER ROCHA): ESTÉTICA DA RECEPÇÃO E NOVAS PERSPECTIVAS DE INTERPRETAÇÃO", escrito por Alcides Freire Ramos, da Universidade Federal de Uberlândia. Para acessar o artigo clique aqui.
















































































































































4 comentários:

  1. Excelente trabalho na postagem, parabéns. Obrigado pela dedicação!

    ResponderExcluir
  2. É verdade que o filme do Glauber envelheceu em alguns aspectos, mas envelheceu bem,pois continua contemporâneo.O gênio de Glauber era mais forte que a sua própria obra.Todas as mazelas do Brasil estão lá,seja na narrativa ou até mesmo no poder de suas imagens.Cinema idealista como não se faz hoje em dia.Por esse motivo ele continua sendo o nosso maior representante do cinema brasileiro.Parabéns pelo blog meu amigo.Mais uma exelente postagem.Obrigado!

    ResponderExcluir
  3. Eduardo de Andrade Machado31 de julho de 2012 20:56

    Cara, este filme é um dos melhores filmes produzidos no Brasil, e toda a conjuntura análoga ao período de Governo militar na segunda década do Século passado, a intervenção do cinema de autor, e, no caso, um autor do porte de Glauber Rocha, põe nesse filme todo o desespero dos brasileiros civis de mentalidade democrática - radical ou não - da época. A El Dorado de Terra em Transe era o Brasil dos anos 60. Mas ao mesmo tempo, lembro-me que a cena mais chocante deste filme é a qual um dos líderes governamentais pensando nos problemas que El Dorado passava, puxa um esfarrapado do chão, põe-no em suas mãos e o chacoalha em frente à câmera - técnica que repete incisivamente durante todo o filme, o que denota ainda mais o caráter de que era um filme que buscava gritar para a Sociedade -, dizendo: "Tá vendo esse aqui? O Povo? (e em alguma parte da roupa do personagem, o nome Povo) O que é que você acha que iria acontecer se colocássemos o Povo no Poder?" E a reação do 'Povo' é o silêncio, é a introspecção; o que denunciava, desde então, essa cultura da integração e do 'se dar bem', a que João Ribeiro Couto e Sérgio Buarque de Holanda chamaram de "Cordialidade". Fantástico filme, esse. Parabéns por disponibilizar. Neste blog pude adquirir várias peças interessantes do Cinema. Não posso comentar em todos os links, mas, sou 'usuário' do site. Parabéns pela disposição de circular cultura na internet. Viva o Copyleft!

    ResponderExcluir
  4. Car@s, um novo link foi adicionado.

    ResponderExcluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila