sexta-feira, 3 de maio de 2013

IMPORTAR-EXPORTAR - 2007

Import-export, 2007
Legendado, Ulrich Seidl

Classificação: Excelente

Formato: AVI 
Áudio: alemão
Legendas: português
Duração: 141 min.
Tamanho: 1,36 GB
Servidor:  Mega (2 partes)

LINKS
Parte 1

SINOPSE
Importação: Olga, jovem mãe e enfermeira ucraniana, é uma mulher de ambições. Em busca de melhores oportunidades na vida, ela abandona sua cidade e parte para a Europa Ocidental. Na Áustria, consegue um bom trabalho como governanta. Mas é demitida e acaba tornando-se faxineira de um hospital geriátrico. Exportação: Paul é um segurança desempregado em Viena, sem qualquer perspectiva de vida. Um dia, ele embarca com seu padrasto numa viagem rumo ao leste, até chegar na Eslováquia, onde trabalha instalando máquinas de apostas.

Fonte: Cineplayers
The internet movie database: IMDB - NOTA IMDB: 7.0



ANÁLISE

O filme "Import Export", que integrou a mostra competitiva do 60º Festival de Cannes, aborda as fronteiras que são ultrapassadas. Uma delas é evidente. Trata-se da passagem dos personagens de um país a outro, do trânsito entre o Oeste e o Leste europeu, entre a rica e a pobre Europa. Mas há também a fronteira moral. São nesses momentos em que o cineasta austríaco Ulrich Seidl propõe revelar o rompimento dos limites morais que o filme ganha cores perturbadoras.

Ulrich, diretor de "Dog Days", ganhador do Grande Prêmio do Júri no Festival de Veneza de 2001, parece se questionar o quanto é possível abdicar da dignidade e de outros valores morais em nome do trabalho, ou seja, do modo de sobrevivência do homem moderno. Para isso, o cineasta conta a história de dois personagens, a ucraniana Olga e o austríaco Paul, que jamais irão se encontrar no filme.




Ulrich Seidl

Olga é uma enfermeira e mãe solteira que vai tentar a sorte na Áustria. Seu primeiro emprego será em um site de sexo virtual. Diante de uma webcam e de uma tela de computador, ela faz striptease e se masturba ao comando do internauta. Depois torna-se empregada doméstica em uma casa na Áustria onde é humilhada por uma criança e demitida logo que a dona da casa percebe que seus filhos começam a se aproximar de Olga . No trabalho seguinte, ela faz a limpeza de banheiros públicos e, por fim, torna-se faxineira em uma clínica geriátrica.


Paul é alguém sem sorte no trabalho. Torna-se segurança, mas é humilhado por um grupo de baderneiros. Depois, junto com seu padrasto Michael, segue rumo à Eslováquia para onde exporta máquinas de videopôquer. Em seguida, os dois partem para a Ucrânia, onde irão usufruir noites de bebedeira e sexo.

Seria fácil, talvez até reconfortante, classificar a trajetória desses personagens como uma derrocada moral. Mas o cineasta austríaco não parece interessado em julgamentos de valor. Ao contrário, a imagem que Ulrich mostra parece incomodar justamente pela sua crueza. O que choca aqui é a amoralidade de todas as imagens, a ausência de valores.

Vale destacar, por exemplo, a cena entre Paul, seu padrasto Michael e uma prostituta. Nesta seqüência, um Michael bêbado humilha a prostituta. A cena, como todo o filme, flerta com o documental, e, segundo o jornal inglês Independent, a garota não é uma atriz, mas uma prostituta na vida real. Esses elementos tornam a sequência ainda mais intensa.

O apelo ao sexo talvez seja o recurso mais óbvio para se questionar a perda do caráter humano nas relações interpessoais. Talvez por isso o filme tenha logo em seus primeiros minutos, como uma espécie de cartão de visitas, a seqüência na empresa de sexo virtual, onde o sexo das garotas é exibido explicitamente, sem pudores, numa relação sem contato humano, mediada pela internet. 

Mas essa talvez não seja a maior provocação do cineasta. É igualmente perturbadora a segunda parte do filme, quando Olga trabalha em um asilo para idosos. Nessa fase de "Import Export", vale ressaltar a proposta de casamento de um idoso em estado terminal à Olga. Seria mais uma troca comercial: ele teria alguns momentos de prazer e ela teria o direito de permanecer na Áustria.

No filme, a ausência de valores é perceptível nas relações que são estabelecidas entre as pessoas. Todas as relações humanas são baseadas no trabalho ou na troca comercial. No mundo de "Import Export", os sinais de afetividade são motivos de desagregação e atrito. E os valores morais se tornaram mercadoria para ser vendida, importada e exportada.

Análise retirada do site Uol cinema





















































































































8 comentários:

  1. Me pareceu muito interessante, principalmente pela abordagem crua da 'amoralidade' do contexto no qual o filme se passa. Já estou baixando!

    http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/2013/05/de-tanto-bater-meu-coracao-parou.html

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. João,

      os links estão funcionando normalmente. Pode ter acontecido problemas no Mega, mas os links estão funcionando.

      Att.,

      Hilarius

      Excluir
  3. Conseguiu minha curiosidade!

    ResponderExcluir
  4. Baixando. Em breve comentarei se gostei ou não. Grato!

    ResponderExcluir
  5. Esperava mais. A primeira parte do filme pareceu promissora. Mas o desenrolar do filme é entediante e muito pouco interessante. Os diálogos são absurdamente pobres e até desconexos (a não ser q o tradutor tenha inventado).

    ResponderExcluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila