terça-feira, 31 de janeiro de 2012

CRASH - ESTRANHOS PRAZERES - 1996

Crash, 1996
Legendado, David Cronenberg 

Classificação: Bom

Formato: AVI
Áudio: inglês
Duração: 90 min.
Tamanho: 700 MB
Servidor: Zippyshare (4 partes)

LINKS


SINOPSE
Após se envolver em um acidente de carro com uma médica, publicitário começa a se relacionar com um grupo estranho de pessoas, que têm como fetiche a reprodução de acidentes de carro e a relação dos mesmos com o sexo. Aos poucos, ele e a mulher começam a ser introduzidos gradativamente em um mundo de estranhos prazeres carnais, sempre ligados ao sexo e aos carros.

Fonte: cineplayers
The Internet Movie Database: IMDB

ANÁLISE
O mais aterrador dos filmes de Cronenberg é que você não pode desviar o olhar. Afinal de contas, você também é escravo dos seus desejos. Vivendo no mundo de agora, você também é escravo de uma máquina – na verdade, várias. Todos nós somos, na verdade, bombas-relógio prestes para detonar. Essa é a tônica de Cronenberg desde o seu primeiro filme lá no fim da década de sesseta até os dias atuais: os sete pecados capitais não são nada mais que manifestações do desejo humano.  Nós somos carne aprisionada dentro da máquina. Ele repetiu isso em Videodrome, A Mosca, Mórbida Semelhança e Mistérios e Paixões – e repete, novamente, em Crash – Estranhos Prazeres.
David Cronenberg
Talvez em seu filme mais vanguardista – não na acepção de “filme cabeça”, no real sentido da palavra, de pegar alguma coisa e tentar levá-la a um passo adiante – Cronenberg faz um filme sem início, meio ou fim. Sem julgamento de qualquer espécie. Um emaranhado de cenas sobre pessoas com um fetiche relacionado a carros, seja transar dentro deles, fazer rachas brutais, colidir e ter um orgasmo no meio das ferragens; bolinar as feridas, lamber as fraturas expostas e ter um orgasmo à simples visão de ossos com partes metálicas. O que foi recebido por grande parte do público como pouco mais que um filme “bizarro” e “estranho”.
Mas o que acontece é que o diretor ensaia tudo isso da forma mais natural do mundo. Por um simples motivo; por tudo isso ser, meramente, um desejo humano. Muitas das escolhas sexuais, hoje em dia, já foram consideradas parafilias. Muitos dos costumes sexuais dos mais bizarros, nós já ouvimos falar de sua repetição infinitas vezes ao longo da história da humanidade. Ou seja, a libido apenas existe; a perversão está nas nossas cabeças. Não cabe a Cronenberg tratar isso ou aquilo como estranho; a missão que o mesmo escolheu como diretor foi a de pegar cada um desses comportamentos extremos e de risco e abordar eles no único plano possível – o humano.  Demonizar isto ou aquilo daria origem a nada mais que um filme gratuito e barato.

E se essa forma maniqueísta de tratar sobre a natureza humana já era preterida desde suas primeiras e obscuras obras, em Crash, David alcança o auge do seu radicalismo estético. É aqui que ele alcança um de seus maiores tratados sobre coisas que não devem ser comentadas, mas ele comenta com a maior frieza e naturalidade do mundo. É esse o horror de Cronenberg; o horror profundamente humano, longe de fatos sobrenaturais ou improváveis – o horror que vem do próprio indivíduo. Em nome de suas pulsões de vida, sexo e morte, ele fará qualquer coisa, desde se deixar domar e subjugar por estado, lei, trabalho e mercado, até liberar suas neuroses em uma sucessão de taras cada vez mais psicóticas que, mais uma vez, não passam de manifestações.
É redundante afirmar isso, assim como este pesadelo erótico de Cronenberg é uma repetição interminável da mesma cena, com variações de parceiros, uma coleção de modelos do ano e um verdadeiro catálogo de como destroçar um corpo humano e revelar o seu interior – figurativamente e literalmente. A posição que o diretor nos coloca é terrível – como máquinas limitadas capazes de responder apenas a determinados contextos, pintando um retrato um tanto pessimista do ser humano: limitado em suas próprias potencialidades, agindo feito máquina, e só podendo encontrar o fator humano, novamente, em seu lado bestial. Que o une, o conecta e o faz dialogar com outras pessoas.

Essa busca obsessiva de Cronenberg pelo humano no bizarro o leva a filmes cada vez mais anacrônicos e recortados do panorama geral do que é produzido no cinema – e é um mergulho e um complemento sem precedentes nos estudos sobre o inconsciente humano. Seus protagonistas, indivíduos atormentados – são nada mais, nada menos que representações – não apenas do próprio diretor, mas de qualquer um que respire. Com isso, o diretor questiona e combate cada doença e neurose dos grandes centros urbanos com tais comportamentos estigmatizados. Seus filmes se propõem como “a doença da doença”, dispostos a varrer a lógica de nossos dias para debaixo do tapete, instaurar o caos, aceitar o ser humano tal como ele é, e só então, livre da cadeia de associações, discutí-lo mais uma vez.
E é isso que é tão aterrador; por mais que queiramos desviar o olhar, nos também somos incitados a discutir sobre o que não queremos, sobre o que nos incomoda, angustia e perturba. E Cronenberg tem mais uma vez sucesso de fazer de cada filme seu uma arma contra o pré-estabelecido, um estopim para pensar tudo de novo. Cinema à flor da pele, na boca do estômago, arranhando as entranhas.

Análise retirada do site cinecafe


4 comentários:

  1. Um dos filmes mais estranhos de Cronenberg.Nem sempre è fácil entender suas metáforas.Como todo filme do diretor é fascinante.Mas exige um certo desafio intelectual.Mais um grande filme de um diretor fantástico!!!Obrigado!

    ResponderExcluir
  2. Colega, o arquivo número dois está bloqueado.Tento baixá-lo e todas às vezes aparece a mensagem "Archive Download Blocked". O que posso fazer para terminar de baixá-lo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Roni, o filme já conta com novos links.

      Att.,
      Hilarius

      Excluir
  3. este filme tem legenda?. Como baixa-lo por este link?

    ResponderExcluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila