terça-feira, 14 de maio de 2013

CLÉO DAS 5 ÀS 7 - 1962

Cleo de 5 à 7, 1962
Legendado, Agnès Varda 


Que tal um passeio pelas ruas de Paris no início da década de sessenta? Será que tal será prazeroso ou pelo menos possível? Quem se atrever a assistir esse filme poderá dar semelhante mergulho. Só que será ciceroneado pela protagonista do filme.
O que mais me agradou nesse filme de Agnès Varda foi a naturalidade com que ela conseguiu captar o clima da cidade naquela época. Ajudou muito para isso o fato dela acompanhar 90 minutos da vida de sua protagonista de uma maneira ininterrupta. Esses longos planos de seqüências em lugares abertos são uma das características da nouvelle vague. Varda consegue se utilizar de tal técnica de forma natural e lega as gerações futuras não somente um filme primoroso, mas também um documento da forma de ser de uma época.


O filme tem início com uma seqüência colorida onde vemos mãos manipulando um baralho de tarô. Após isso o preto e branco domina a tela até o término da projeção. A razão disso? A diretora quis criar um hiato entre o que é ilusão e a realidade. Após deixar a cartomante, Cléo, uma jovem cantora segue até um dos inúmeros cafés que dominam a paisagem urbana, e se encontra com sua secretária. Ficamos sabendo o que a angustia então: ela aguarda o resultado de um exame médico. Ela crê que o resultado será problemático, as cartas e a sua intuição o confirmam.

A partir daí tem-se início um périplo pela cidade. Parece que a personagem mata o tempo, mas já sabemos que ele é infinito, quem está morrendo é ela e todos os personagens que fazem parte da paisagem. Pensamos que matamos o tempo, mas é ele quem nos mata. Cléo dedica-se a sua rotina intensa, mas não consegue se libertar da sensação de escoamento do tempo. Os personagens surgem a sua frente, e eles logo desaparecem sem que a estranha sensação se esvaia. Quando ela se encontra com uma amiga que serve de modelo a escultores e pintores, deixando seu afazer para seguirem junto até o estúdio de seu namorado onde um curta-metragem é inserido dentro do longa-metragem: “Os noivos da Ponte Mac Donald”. Os noivos são Jean-Luc Godard e Anna Karina. Seqüência muda que tem por objetivo mostrar a efervescência cultural que dominava Paris naqueles tempos. Uma doce brincadeira que entra bem no clima de leveza com que a cineasta dirige seu filme.

Conforme o tempo vai se escoando, vamos nos familiarizando com aqueles que compõem a Paris de então. O filme tem 90 minutos, mas Cléo crer dispor de 120 minutos para refletir até a sentença final. Ela se depara nesse seu périplo com vários encontros e desencontros, projetos de alguns e desesperanças de outros, partidas e chegadas. Ela passa a se dar conta que apesar de mergulhada naquele mundo, terá de se afastar dele para se tratar com o intuito de poder ser re-inserida nele. Ela se dá conta quando mergulha na cidade e percebe que o seu quotidiano permanece febril. A vida dos outros não depende da dela. Ela é apenas um adorno que pode ser facilmente substituído, como as modas que desaparecem com a mudança das estações. Nulificada pela vibração do mundo, ao estabelecer uma relação com um gentil militar que logo deixará a cidade rumo à Argélia, Cléo percebe que a doença lhe impõe um futuro que ela terá de enfrentar sozinha.

Apesar de soar trágico o relatado nessas linhas, o tom do filme é o da esperança e da serenidade. Contribui para isso a câmera solta, a fotografia clara, o som da cidade que invade a película e o se privilegiar em mostrar o bucólico que convive com os edifícios que constituem essa metrópole.
Filme surpreendente que deve se fazer conhecido pelas novas gerações. - Por Conde Fouá Anderaos, fonte cineplayers


CLÉO DAS 5 ÀS 7 - 1962

Título Original: Cléo de 5 à 7
Título em inglês: Cleo From 5 to 7
Direção: Agnès Varda
Produção: Georges de Beauregard e Carlo Ponti
Roteiro: Agnès Varda
Gênero: Drama
Origem: França/ Itália
Ano: 1962
Música: Michel Legrand
Fotografia: Jean Rabier, Alain Levent


Sinopse:

Cléo, bela e cantora, espera o resultado de seus exames médicos. O filme se passa durante esta espera, mostrando suas agonias e os seus pensamentos. Seguimos Cléo de 5 da tarde às 7 da noite - nesse tempo ela vai a cartomante, toma café, faz compras e passeia pelas ruas de Paris. Indicado à Palma de Ouro em Cannes, Cléo das 5 às 7 é uma crônica de duas horas cruciais na vida de uma mulher.
Uma pequena e encantadora surpresa dentro do filme: em determinado momento nossa personagem assiste a um curta de cinema mudo protagonizado por ninguém menos que Anna Karina e Jean-Luc Godard. Trata-se do "Les Fiancés Du Pont Mac Donald", também de Agnès Varda, imperdível *-*


Elenco:

Corinne Marchand - Florence, 'Cléo Victoire'
Antoine Bourseiller - Antoine
Dominique Davray - Angèle
Dorothée Blank - Dorothée
Michel Legrand - Bob, o pianista
José Luis de Villalonga - o amante
Loye Payen – Irma, a cartomante
Lucienne Marchand - a motorista de táxi
Serge Korber - Plumitif, compositor letrista
Robert Postec - Dr. Valineau
Raymond Cauchetier – Raoul, o projecionista
Jean-Luc Godard - homem de óculos escuros, ator em filme mudo
Anna Karina - Anna, atriz loura em filme mudo
Yves Robert - o vendedor de lenços
Jean-Pierre Taste – o garçom do Café
Sami Frey - o coveiro
Danièle Delorme – a vendedora de flores


Informações do Arquivo:

Formato: AVI
Qualidade: DVDRip
Áudio: Francês
Legendas: Português/BR
Duração: 90 min
P/B (introdução colorida)
Tamanho: 695 MB em 3 partes
Servidor: Mega (Parte única)

LINK:
Parte única













4 comentários:

  1. Eu amo esse filme. Obrigado por postar.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom! Vou assistir! Estou em busca de um filme para fazer a análise de trilha sonora e este filme me pareceu muito interessante. Vou assistir e me decidir!

    ResponderExcluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila