sábado, 7 de dezembro de 2013

PÃO E ROSAS - 2000

Bread and Roses, 2000
Legendado, Ken Loach


Formato: AVI
Áudio: inglês/espanhol
Legendas: português
Duração: 110 min.
Tamanho: 1,36 GB
Servidor: Mega (Três partes)

LINKS

SINOPSE
As irmãs Maya (Pilar Padilla) e Rosa (Elpidia Carrillo), mexicanas de sangue quente, trabalham no serviço de limpeza de um prédio comercial no centro da cidade. O destinou colocou Sam (Adrien Brody), apaixonado ativista americano, no seu caminho, o que as leva a uma campanha guerrilheira contra seus patrões. A luta ameaça seu sustento, a família e faz com que corram o risco de serem expulsas do país.

Fonte: Adorocinema
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 7.0


ANÁLISE

A situação de miserabilidade a que a dinâmica da sociedade burguesa expõe a população força esta última (mediante o recurso da alienação dos seus meios de produção e reprodução da vida) à venda, por qualquer preço, da sua força-de-trabalho em troca de pão, de alimentação, exclusivamente. As rosas são aí mera abstração. Para tentar se aproximar delas só com muita luta. Este é, sinteticamente, o sentido do nome da narrativa fílmica.

O início do filme de Ken Loach retrata uma realidade muito presente em países periféricos do sistema capitalista. A lógica do desenvolvimento “desigual e combinado” explica o intenso deslocamento de pessoas tanto interna (entre regiões de um mesmo país) quanto externamente (entre países). O fluxo migratório é assim fato comum em regiões brasileiras como o Nordeste do Brasil e o Vale do Mucuri, em Minas Gerais. Nesta última dificilmente se encontra alguém que não tenha parentes tanto em São Paulo, quanto, tal como a personagem Maya, nos Estados Unidos da América.

O tema migração tão bem abordado em “Pão e Rosas”, do ponto de vista sociológico é fato da maior importância. Aponta algo imanente à sociedade do capital, sobretudo agora em sua fase mundializada: a desterritorialização. A classe proletária, desprovida dos meios de sua produção e reprodução vê-se obrigada a vendê-la, a quem quer que seja e aonde quer que seja; mesmo que para isso corra riscos da maior intensidade, como atravessar desertos, negociar com os terríveis coiotes mexicanos, fugir de policiais de embaixada etc. Maya, a personagem central, nascida em Tijuana, México, dá-nos uma idéia precisa desta aventura. Além de um futuro incerto em terras distantes, a apreensão da família é outro efeito triste da dinâmica do capital. São comuns, na região nordeste do Brasil, os casos de “viúvas de marido vivo”, mulheres que aguardam o retorno dos companheiros que foram ao trabalho no estado de São Paulo e de lá não mandam notícias, há décadas.

Marx vê nas greves, mesmo naquelas com tendência trade-unionista, potenciais lócus de organização política da classe trabalhadora, além de propiciarem reações por parte da burguesia, que tendem a responder com equipamentos que poupam mão-de-obra, insuflando ainda mais a classe trabalhadora a sair da sua inércia, organizando-se coletivamente para a luta contra a sua exploração.

Sam Shapiro, um dos articuladores do movimento “Justice for Janitors”, sabe da dificuldade concreta que é a mobilização de uma parcela da classe trabalhadora que, imersa na imigração ilegal, reúne todas as características desejáveis pelos capitalistas para a extração de níveis exorbitantes de exploração de mais-valia e espoliação : baixo nível de escolaridade, estrangeira, ilegal, desarticulada entre si e predominantemente feminina. Sabe também que sem o desenvolvimento de um nível mínimo de sentimento de coletividade por parte dos sujeitos, nenhuma luta é passível de vitória.

Em tempos de selvagem neoliberalismo, o individualismo mesquinho burguês é a parede que contem a descrença, o medo, a falta de solidariedade e o sentimento de fatalismo entre a classe trabalhadora. Ao invés de se pensar na perspectiva de classe, os proletários tendem a digladiarem entre si, e a reagir, inicialmente, a qualquer tentativa de “quebra desta parede” (“Justiça para Rosa!” , afirma a faxineira Rosa). Numa clara tentativa de desnaturalizar a precária situação do grupo de faxineiros da empresa de faxina “Angel”, o jovem militante aponta historicamente a trajetória da empresa em que trabalham. Porém, foi a situação limite de abuso a uma das funcionárias da companhia, praticado pelo autoritário gerente Perez, que acarretou a procura dos funcionários ao sindicato. Perez, apesar de latino, volta-se contra aquele grupo, a que na realidade faz parte. Resposta inteiramente conformista ao capital, típica pseudo transformação de “oprimido em opressor”, como nos ensina o mestre Paulo Freire. 

Continue lendo em Telacritica


2 comentários:

  1. Oi! O Link 1 não está mais disponível, somente o dois e três!
    Se fosse possível resolver, obrigado!

    ResponderExcluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila