terça-feira, 16 de outubro de 2012

ELES VIVEM - 1988

They Live, 1988
John Carpenter

Formato: AVI
Aúdio: Inglês
Legenda: Português
Duração: 93 minutos
Tamanho: 606 Mb
Servidor: Mega (Parte única)



SINOPSE
Nada é um trabalhador braçal que chega a Los Angeles e encontra trabalho numa fábrica. Durante uma inusitada operação repressiva, a polícia destrói um quarteirão inteiro do bairro miserável em que vive. Na confusão, Nada encontra óculos escuros aparentemente comuns, porém ao usá-los consegue enxergar horrendas criaturas alienígenas disfarçadas de seres humanos, bem como as mensagens subliminares que elas transmitem através da mídia em geral.

Fonte:
Cineplayers


ANÁLISE


Uma que é o filme mais charmoso do mundo. Dos diálogos (“Vim aqui mascar chicletes e chutar bundas, e meus chicletes acabaram”) a cada uma das cenas (Nada encontrando os óculos, Nada descobrindo como os óculos funcionam, Nada surtando com a 12 e caçando os alienígenas na rua, etc) Eles Vivem é talvez o representante mais classudo e indefectível do cinema B. Tem um bilhão de ideias e conceitos sendo trabalhados (desde a ironia com o consumismo e o capitalismo e o apocalipse sendo gerado através deles até a relação entre filme e a própria carreira de Carpenter, um brutamontes caçando alienígenas é provavelmente a verbalização de tudo o que o restante trabalha nas entrelinhas), um esquema narrativo absolutamente fantástico, uma noção de ritmo que não encontra parâmetros em nenhum outro filme (o único filme que possui uma cadência tão precisa quanto a de Eles Vivem é Rio Bravo), é um filme que desliza, flutua de cena em cena com uma facilidade assustadora – a trilha sonora nesse sentido é um achado também, a maneira com que Carpenter vai conduzindo o filme através dela, mais ou menos como o baixo faz no blues (o Kerr ex-multiploteiro e atual tocador de batuques  em noites paulistas já diria que Eles Vivem é um blues filmado, melhor definição impossível), enfim, é uma fonte inesgotável de coisas geniais sendo trabalhadas por debaixo dessa aurea de filme B, de filme tosco, de filme vagabundo, mas que na verdade tem mais a dizer, tem mais classe cinematográfica, tem mais observações brilhantes (“this is our god” refletido num maço de dinheiro!!!) do que qualquer filme pretensamente político do cinema contemporâneo. É um filme onde Carpenter constrói um mundo e rui inteiro na nossa frente, um filme em que ao herói só resta chutar a bunda de tudo e de todos, um legítimo filme do caralho.


2 comentários:

  1. Filmaço de Carpenter, que tem uma ótima sequência de briga de rua entre o astro de luta-livre Roddy Piper e o eterno coadjuvante Keith David.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Hello, good people....

    Filme que promete MUITO - aliás mais do que cumpre - vejam, a partir da segunda metade, NADA torna-se desnecessariamente violento e um assassino frio e insensível (Blade Runner again?)_ e o roteiro descamba no previsível...já assisti N vezes este filme...e cada vez mais me certifico que o enredo foi deixado de lado em prol da violência gratuita...

    Poderia ser um filme MAIS PSICOLÓGICO, aos moldes de 1984, por exemplo....mas realmente na primeira metade existem momentos brilhantes, como o pregador cego....e as mensagens subliminares descobertas com o uso do óculos de sol....deveriam desenvolver este tema e não lutas e mais lutas....

    Ficou aquela sensação indizível de algo incompleto e inacabado....mas não como outros filmes em que o final é aberto...que pode e deve ser decidido pelo público...(que leva para casa algo para ser digerido e resolvido)...mas sim a sensação de algo abortado... rapidamente...inesperadamente...

    Uma pena....eu como grande fan de sci-fi, ainda vejo GRANDES OPORTUNIDADES num remake, mais "cerebral".

    Para quem nunca assistiu, é diversão garantida....principalmente para quem quantifica a masculinidade com a quantidade de músculos envolvida...o que não é decididamente o meu caso.

    Mesmo assim,

    """█▓▒░ ★ Life Gets Sweeter Everyday ★ ░▒▓█"""

    Peter Hammill - SP

    ResponderExcluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila