quarta-feira, 13 de março de 2013

A PROFESSORA DE PIANO - 2001

La Pianiste, 2001
Legendado, Michael Haneke

Classificação: Excelente

Formato: AVI
Áudio: alemão e francês
Duração: 100 min.
Tamanho: 700 MB
Servidor: Mega (4 partes) 

LINKS

SINOPSE
Erika Kohut (Isabelle Huppert) trabalha como professora de piano no Conservatório de Viena. Ela não bebe nem fuma, vivendo na casa de sua mãe (Annie Girardot) aos 40 anos. Quando não está dando aulas Erika costuma frequentar cinemas pornôs e peep-shows, em busca de excitação. Logo ela inicia um relacionamento com Walter Klemmer (Benoît Magimel), um de seus alunos, com quem realiza vários jogos perversos.

Fonte: Adorocinema
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 7.3


ANÁLISE

Em uma de suas declarações mais famosas, Martin Scorsese certa vez afirmou que a última fronteira a ser conquistada pelo cinema era a sexualidade. O perturbador e fascinante estudo de personagem “A Professora de Piano” (La Pianiste, Áustria/França, 2001), filme do austríaco Michael Haneke, oferece uma contribuição importante para romper esta barreira, ao investigar com frieza cirúrgica uma das áreas mais sombrias da sexualidade humana: a perversão. Faz isso em um filme provocante e original, comprimindo em pouco mais de duas horas uma carga anormalmente alta de erotismo e estudo refinado da psique humana, em um filme que é verdadeira anomalia – no bom sentido, claro, já que originalíssimo e brilhante.
Elfriede Jelinek, autora do livro "A pianista", que foi adaptado para o cinema pelo diretor Michael Haneke
Não há muitos cineastas contemporâneos que possuem a ousadia, a criatividade e a liberdade temática necessárias para levar a cabo a tarefa proposta por Scorsese. Certamente, não dá para esperar que Hollywood, sempre tão casta e medrosa (porque dependente de um público muito conservador, especialmente na área sexual, que é o americano típico), vá ajudar de alguma forma nesta cruzada. De fato, um filme como “A Professora de Piano” não poderia ter vindo de outro lugar que não a Europa. A obra de Haneke é européia por excelência, libertária e profunda, e de alguma forma propõe uma experiência cinematográfica diferente, excitante, que mistura música, história, psicanálise e, porque não, políticas complexas de classes e gênero.
A história realiza um fantástico estudo de personagem, a pianista do título. Erika (Isabelle Huppert) dá aulas de piano em um prestigiado conservatório em Viena. A mulher, na faixa dos 40 anos, é solteira e mora com uma mãe castradora (Annie Girardot), que trata a filha como uma adolescente, alguém que precisa explicar o que fez quando chega tarde em casa. Erika é altiva, orgulhosa, aristocrática, e tem uma paixão assumida pela música de Schubert (“ele era feio”, diz ela em certo momento, como que para explicar a fúria contida das partituras do compositor). A mestra parece ter prazer genuíno em maltratar alunos esforçados com palavras duras e gestos idem. Erika é aquilo que os brasileiros chamam de mulher mal comida.
Melhor seria dizer mulher não comida. Erika não tem namorado, e não demonstra nenhum interesse em ter. No entanto, ela não é uma dessas pessoas indiferentes a sexo – apenas gosta de uma modalidade de sexo não exatamente ortodoxa. E Haneke não tem nenhum pudor em invadir os recônditos mais negros da alma depravada desta mulher. Nas horas vagas, ela não se dedica a alimentar pombos na praça ou a assistir TV. Erika freqüenta lojas de artigos pornográficos, onde assiste a vídeos de sexo explícito e esfrega no rosto o esperma dos freqüentadores que lá estiveram antes dela. Também tem uma queda pela auto-mutilação, usando uma enervante gilete de barbear, em longas tomadas sem cortes que Michael Haneke arremessa com força na cara do espectador. Erika faz tudo isso de rosto impassível, como se fosse um robô à prova de emoções. Ela é um mistério, um personagem fascinante.
No entanto, algo muda dentro desta mulher de gelo quando ela conhece Walter (Benoît Magimel), loiro e desembaraçado rapaz de 20 e poucos anos. Ele logo demonstra interesse na professora, e não apenas em sentido estritamente musical. A partir daí, Michael Haneke se dedica a nos mostrar as imprevisíveis reações de Erika aos perfeitamente saudáveis impulsos sexuais do garoto, o que inevitavelmente leva a platéia a identificar uma situação muito presente no cotidiano de qualquer um: afinal, qual é exatamente o momento certo para revelar ao nosso parceiro sexual uma pequena (ou grande) perversão?
O absoluto rigor formal com que o diretor austríaco aborda o tema faz de “A Professora de Piano” um filme incômodo, duro, violento, ultrajante para alguns. Haneke cutuca a ferida da sexualidade sem nenhum traço de pudor, e sem qualquer tipo de julgamento moral. A narrativa é crua e direta, e não faz qualquer tipo de concessão ao melodrama, à manipulação das emoções do espectador. Haneke é tão impassível quanto Erika, cada um em sua área. E essa abordagem gélida atinge em cheio o objetivo: destrói as defesas do espectador, deixa a habitual indiferença das platéias em frangalhos. “A Professora de Piano” é um filme que aperta firme algum botão localizado lá no fundo da alma.
É o tipo de obra que permanece na mente muito tempo depois da projeção, talvez para sempre. Esta é uma característica do melhor cinema de Michael Haneke (“Violência gratuita”, “Caché”): faz pensar, arrasta o espectador pelo colarinho para dentro do filme, obriga-o a ver o que não quer com um misto de fascínio e repulsa que é genuinamente atraente. O austríaco demonstra ter um talento natural para fazer a carga de imagens pesadas ser amplificada naturalmente dentro da imaginação de cada membro da platéia (pense bem: as cenas de “A Professora de Piano” não têm, isoladamente, o potencial subversivo que o filme por inteiro apresenta).
De quebra, a cereja no topo do bolo é a interpretação arrasadora de Isabelle Huppert. Sem a atriz francesa, é provável que Haneke não tivesse conseguido um resultado tão abrasivo, tão impressionante. O rosto gelado e inexpressivo da atriz diante de qualquer pessoa ou objeto é impressionantemente duro e sem emoções. Não importa se à frente dela está um homem tendo um orgasmo, um prato de comida ou uma canção sendo executada impecavelmente diante de uma platéia às lágrimas. Erika é um robô, um mistério inexpugnável, e isso é grande parte do fascínio do longa-metragem, uma verdadeira obra-prima contemporânea.


Análise retirada do site Cinereporter





















































































































































Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila