sexta-feira, 8 de novembro de 2013

BUTCH CASSIDY - 1969

Butch Cassidy and the Sundance Kid, 1969
Legendado, George Roy Hill


Formato: AVI
Áudio: inglês
Legendas: português
Duração: 110 min.
Tamanho: 699 MB
Servidor: Mega (2 partes)

LINKS

SINOPSE
Dois amigos inseparáveis, Butch Cassidy (Paul Newman) e Sundance Kid (Robert Redford), lideram o Bando do Buraco na Parede e vivem de assaltar trens e bancos. Quando são caçados por todo o país resolvem ir para a Bolívia e juntamente com Etta (Katharine Ross), a namorada de Sundance, rumam para a América do Sul. Mas esta decisão não lhes proporcionará grandes assaltos ou uma vida mais tranquila.

Fonte: Adorocinema
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 8.2


ANÁLISE

Com o lançamento de Blackthorn – Sem Destino (Mateo Gil, 2011), o mito da dupla de facínoras Butch Cassidy e Sundance Kid ficou ainda mais difícil de ser desvendado. Se alguns dizem que ambos foram mortos no tiroteio contra o Exército Boliviano na cidade de San Vicente, em 1908 (a teoria apresentada pelo diretor George Roy Hill), outros discordam e preferem apostar todas as suas fichas na surpreendente produção hispano-franco-boliviana de Mateo Gil.
A dupla realmente teria morrido no controverso tiroteio contra o Exército Boliviano? A dúvida divide opiniões até hoje...

Como se estivéssemos situados em uma obsoleta sala de cinema, o filme abre suas rústicas – porém inovadoras – portas através de quatro elementos que dividem o grande ecrã entre si: os ruídos de um antigo projetor cinematográfico, algumas imagens ainda sem conhecimento da magia do colorido, a bucólica melodia e, por fim, os créditos de todos os responsáveis por fazerem de Butch Cassidy um dos faroestes mais certeiros na longa história que cerca o gênero. Sem uma visão mais além, entretanto, toda esta introdução soaria em um aspecto normal. Assim, minha interpretação mediante o início do filme é justamente pelo fato de “projetores, projeção, música e créditos” formarem a essência do cinema! Ou seja, desde seu primeiro minuto, Butch Cassidy é uma verdadeira obra-de-arte.

A película é, antes de tudo, mais do que uma simples aventura de dois bandidos carismáticos que existiram na vida real e fizeram parte da história norte-americana. Ela também é engraçada, icônica, apaixonante, mortal...

Imediatamente na cena de abertura, Roy Hill já nos deseja revelar os quão amedrontadores e populares são Butch Cassidy (Paul Newman) e Sundance Kid (Robert Redford). A informação que quer ser passada pelo diretor entra com clareza em nossa mente, sem precisar de muito alarde: basta dizer o primeiro nome de algum dos dois facínoras, e convidar o mesmo para ficar no local por algum tempo. Se tudo correr como o esperado, ninguém sai machucado! O método da dupla não poderia ser mais fácil.

A partir de então, a parceria dentro (e fora!) das telas funciona da maneira mais perfeita possível, principalmente quando o filme culmina na antológica e imortal cena da bicicleta: sendo uma das memoráveis em todo o ciclo já percorrido pela sétima-arte, Butch carrega a professora Etta Place (Katharine Ross) e faz piruetas no meio de transporte que chama de “futuro” – referenciando-se a bicicleta – ao som da canção Raindrops Keep Falling On My Head.
Como se pôde perceber pela trama, um roteiro incontestável e vencedor de Oscar é escrito por William Goldman, proporcionando diálogos marcantes, cenas de um humor refinado, personificações únicas e um tanto quanto diferentes da realidade (o que isto importa para uma obra de ficção?) e situações que duram o tempo correto em tela. Um exemplo é a grande perseguição em busca da dupla: mesmo tomando para si praticamente todo o segundo ato, em nenhum momento ela perde sua elegância; ao contrário, nossa curiosidade em relação ao que acontecerá só aumenta.

Além desta, mais três outras estatuetas ainda foram entregues ao filme, condecorando duplamente o compositor da trilha sonora Burt Bacharach: uma por sua ilustre canção escrita em conjunto com Hal David exclusivamente para o filme e cantada por B.J. Davis (Raindrops Keep Falling On My Head) durante a famosa cena da bicicleta, e outra por sua própria condução na banda de sons.

Já o último dos prêmios foi para a fotografia, de Conrad L. Hall, o qual obteve certo destaque ao trabalhar no velho-oeste de Os Profissionais (Richard Brooks, 1966) e em projetos do diretor Sam Mendes, bem como Beleza Americana (1999) e Estrada para Perdição (2003). Aqui, em sua fase mais inspirada, consegue fumegar fascinantes paisagens desérticas nos mais diversos tons de seu olhar através da câmera: desde um denso sépia envelhecido e poético, até os coloridos que se misturam sobre a terra e as vegetações.

A direção de George Roy Hill, vencedora no BAFTA e apenas nomeada noOscar, nunca passa dos limites e muito menos se torna pedante. Ele sabe como dirigir sua trupe de atores e se posiciona com classe em seu sexto trabalho dirigido para o cinema – o primeiro com mais reconhecimento por parte do público e da crítica especializada. Anos mais tarde, uma dobradinha do trio Roy Hill-Newman-Redford acontece ao realizar Golpe de Mestre (1973), filme vencedor de sete Óscares (um para Hill!) e responsável por consagrar definitivamente uma das mais ligeiras e certeiras sociedades do cinema.

Finalizando, com um elenco de peso eleito a dedos pelo próprio Roy Hill, as atuações rendidas pelo trio principal (Newman, Redford e Ross) se dão muito acima do normal. Apesar disto, a obra não é realizada somente por eles, sobrando ainda um pouco de espaço a ser preenchido por papéis menores: é o caso do veterano Strother Martin, interpretando Percy Garris.
Da esquerda para a direita: Paul Newman, George Roy Hill e Robert Redford.

Claramente inspirado pelo novo gênero na época – o bloodbath, ou simplesmente “banho de sangue” –, Butch Cassidy tem no calor de seu conteúdo um dos trabalhos mais completos já assistidos em todos os tempos. Mesmo não contendo o mesmo nível de violência que Bonnie & Clyde - Uma rajada de balas, a realidade gráfica de ambos os projetos se aproxima quando se diz respeito a “sangue e ferimentos”, fora o fato de seus protagonistas também ganharem a vida com o crime.

E, enquanto um gênero surgia, outro adoecia em grande escala, perdendo não só seu espaço, mas também sua longa vida prestada junto ao cinema e outros meios de comunicação. O western épico e de caráter clássico não cabia mais na vitrine da sétima-arte, tendo de elevar as conservadoras narrativas do velho-oeste (Guerra Civil, índios, saloons, mocinhos, bandidos...) para um terreno de maior estabilidade, justamente como pode ser estudado em grande parte da filmografia de David Samuel Peckinpah.
Mas, de qualquer jeito, é assim que caminha a humanidade...

Análise retirada do site analisando-o-oeste




























































































2 comentários:

  1. Butch Cassidy e a falta de previdência social

    As análises - poucas ainda - que li neste blog são muito lúcidas, algo fácil de perceber.
    E assim é muito legal ver que outros espectadores veem e sentem um filme como alguém igual a mim vê, sente.
    Dito isso, quero anotar algumas coisas sobre Butch Cassidy.
    Está certo que lá no final da história - quando mais ou menos se adivinha uma tragédia para o par de 'bandidos gringos' - o cerco a Butch e a Kid é 'gloriosamente musicado por um tiroteio exagerado e estúpido das forças municiadas bolivianas', fazendo este filme comunicar-se em mais de um ponto* com o famoso Wild bunch (Meu ódio será sua/tua herança), do grande Peckimpah - diretor mencionado no texto que explica o western de George R. Hill. Mas não vejo Butch Cassidy como um ''bloodbath'' natural: de verdade, os dois bandidos, sendo mesmo pessoas marginais, são contrários ao uso da violência, cuidadosos mesmos de procurar fuga, de encenar modos banditescos**, de abandonar inclusive as localidades de subsistência e de se tornar exilados. Uso em apoio do que escrevo a cena em que Cassidy reclama por ter de atirar nos ladrões que tentavam tomar o pagamento que eles (Butch e Sundance) estavam ‘incumbidos de vigiar’. Uso mais: a preocupação de aprender espanhol para conseguirem anunciar as intenções de roubo a banco, quando já estão liquidados na Bolívia.
    Butch Cassidy não vai por 'linhas de banho de sangue', embora estruturalmente as encontre no tecer da trama. Está mais alinhado aos filmes que definiram a 'agonia' do faroeste clássico, o que tento justificar. São figuras buscando mais do que fama e fortuna: querem aposentar-se, e não sabem como fazê-lo. É isto mesmo! Não existe solução que mantenha o par assaltante em vias de continuidade no tempo em que vivem. A professora vértice-comum-do-triângulo-amoroso, ela mesma deduz a falta de senso e de futuro para o que eles praticam. Não há caminhos para percorrer, esconderijos bons o bastante que os protejam, nem existe paz para injustos injustiçados.
    Buch Cassidy é uma história sobre a carência de profissão, de preparo para o envelhecimento, de capacidade de autopreservação numa vida que vai ficando mais especializada e, portanto, mais competitiva.
    Butch Cassidy é a afirmação cinematográfica das pessoas que vivem perigosamente o caráter do amadorismo mambembe.





    * - enxerguei outro pontos comuns na trama do outro filme, também de 1969;
    ** - bandistescos - foi por minha conta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para a anotação **, quero dizer BANDITESCOS.

      Excluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila