terça-feira, 5 de novembro de 2013

CORRIDA CONTRA O DESTINO - 1971

Vanishing Point, 1971, Legendado, Richard Sarafian
(
Indicação da semana.)

Classificação: Ótimo
Formato: AVI (Xvid)
Áudio: Inglês
Legendas: Português
Duração: 99 min
Tamanho: 686MB
Servidor: 4Shared (3 Partes)
Links:

Parte 1
Parte 2
Parte 3

Sinopse: Kowalski é um ex-fuzileiro, herói da Guerra do Vietnã, ex-piloto de corrida e ex-policial demitido da corporação, que atualmente se dedica a transportar carros para uma pequena oficina. Ele aposta com um amigo que levará um Super Dodge Challenger R/T 1970 de Denver, no Colorado, para São Francisco, na Califórnia, em menos de 15 horas. Devido à alta velocidade, ele se torna alvo de policiais rodoviários, e é auxiliado por um radialista negro para escapar dos oficiais da lei.
Fonte: Cineplayers
The Internet Movies Database: IMDB - Nota Imdb 7.2

-Sobre o diretor-



Cineasta americano, Richard Sarafian, é mais conhecido pelo filme de perseguição "Corrida Contra o Destino" ("Vanishing Point"), considerado um clássico cult do movimento pela libertação das "amarras" do  velho 'studio system', entregando ao antigo público uma nova forma de fazer cinema.
Sarafian também dirigiu "The Man Who Loved Cat Dancing" (1973), com Burt Reynolds, "Sunburn" (1979), com Farrah Fawcett e "Eye of the Tiger" (1986), com Gary Busey.
Como ator, chegou a participar de filmes como "Politicamente Incorreto", "Bugsy" e "Don Juan DeMarco", com Marlon Brando. Entre seus projetos na televisão destacam-se "Lawman", "Hawaiian Eye", "77 Sunset Strip", "Batman", "I Spy" e "Gunsmoke".

Sarafian serviu o exércio americano na Guerra da Coreia, nos anos 1950, pouco antes de ingressar na Universidade de Nova York. Sua carreira, no entanto, acabou tomando outros rumos quando, trabalhando como repórter em Kansas City, conheceu o diretor novato Robert Altman, que o convidou para ser seu assistente em Hollywood.
Mais tarde, Sarafian se casou com a irmã de Altman, Joan, com quem teve quatro filhos. O último trabalho dele no cinema foi o longa "Solar Crisis", de 1990. Seu filme mais famoso, "Vanishing Point" (1971), com as cenas de perseguição de um Dodge Challenger cruzando o território americano, tornou-se um clássico cult.

Análise:
"Pé na estrada..."



O ano é 1971, o realizador Richard C. Sarafian, de quem quase nada se tinha ouvido falar antes deste filme, e pouco se ouviria depois deste (com clara injustiça).
Este Vanishing Point que veio a inspirar clássicos como Mad Max, e Smokey and The Bandit, bem como todo um género de filmes de acção automóvel , contudo este filme de Sarafian, vai muito além dos seus sucessores. Vanishing Point, passa de um mero filme de accção para uma dimensão algo maior…
A película centra-se na história de Kowalsky, um condutor solitário, que mais que isso será o padrão que define o clássico “vencido da vida”, um homem que arriscou muitos ofícios sem que em algum tenha vingado verdadeiramente. Assim, num momento tão inesperado como o são as verdadeiras revoluções, este fracassado na vida comum, opta por tentar vingar na desobediência, recusando-se assim a parar perante ordem policial.
Começa assim a base que nos irá acompanhar durante todo o filme, assim durante cerca de hora e meia acompanhamos esta viagem e através dela descobrimos o passado desta figura tão comum, que se torna num revolucionário involuntariamente, sendo guiado por um Dj de rádio cego, e seguido por centenas.
"O grande irmão não vê, mas escuta, com certeza você já se deu conta."

Kowalsky, transforma-se no herói de uma revolução fantasma, por algo tão inócuo quanto não se deter, e é nesse laivo de desobediência aparentemente tão mesquinho que reside todo o sarcasmo deste filme, este herói que explode numa sociedade americana em pleno auge do movimento Hippie e eclosão do Punk. Assim com o festival de Woodstock (1969) e o Maio de 68 ainda bem presentes na memória, este filme vem re-afirmar como os actos mais simples se podem revelar os mais decisivos (ainda que o final saiam gorados como aconteceu com a greve francesa e com o próprio Kowalsky) continuam a valer a pena só pelo simples facto de terem existido. Nessa base, Vanishing Point, revela-se fantástico, um autentico grito anarquista a alta velocidade.











2 comentários:

  1. Filmaço, pena que um pouco esquecido.

    Valeu pela postagem.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Cara, vi esse filme hoje! Muito bom filme! Vi o filme do Tarantino "À prova de morte". Em uma parte deste, algumas amigas, apaixonadas por carros, comentam sobre clássicos como este. Daí, dei uma pesquisada na net e achei. Este foi o primeiro que vi. O legal é que, observando os filmes do Tarantino, dá pra ver as suas influências como diretor. Este filme, com toda a certeza o influenciou. Tem trechos, que dá pra ver nitidamente como Tarantino implementou estas influências em filmes como "Pulp Fiction", "À prova de morte", entre outros!
    Abração!

    ResponderExcluir

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila